fbpx
TVI

Pedro Mourinho diz o que ganha na Ucrânia: “Ninguém vai para a guerra para enriquecer”

Pedro Mourinho, Kiev, Explosão, Ucrânia, Guerra, Cnn Portugal
@CNN Portugal

Pedro Mourinho esteve nos festejos do São João, no Porto, mas não se esqueceu da guerra na Ucrânia. O jornalista da TVI e da CNN Portugal admitiu que até o som dos foguetes lhe traz sensações estranhas à memória.

“Há coisas que são físicas e que mudaram em mim. A sensação dos foguetes, por exemplo. Ou ouvir sirenes dos bombeiros”, disse Pedro Mourinho, esta quinta-feira, em declarações à imprensa.

“Quando estamos lá, estamos sempre alerta. O som dos mísseis a explodir é muito forte e faz sempre diferença. Aqui com os foguetes é diferente, porque estás em Portugal, no Porto, no São João, mas de repente estala um e isso provoca sempre aquela sensação…”, confessou.

Ainda assim, o jornalista da TVI e da CNN Portugal recusa falar em stress pós-traumático e admite que, ainda este ano, deverá regressar à Ucrânia.

“É difícil desligarmo-nos. A guerra ainda continua e acho que para todos os repórteres que lá estiveram e que viveram aquilo que eu também vivi, há um magnetismo que nos puxa para continuarmos a fazer o nosso trabalho lá. Eu sinto isso. Não é ir amanhã, mas sinto que ainda irei voltar à Ucrânia neste ano. Tenho a certeza absoluta. Já, já, não, porque a guerra está numa fase complicada, num impasse, não é uma boa altura para voltar, mas é importante manter viva a cobertura da guerra para que ela não caia no esquecimento das pessoas”, referiu.

Antes de ser profissional, o jornalista é um homem. E o que leva um homem de família a querer regressar a um palco de guerra? Pedro Mourinho respondeu.

“Quando somos jornalistas, a nossa vida está sempre ligada à nossa profissão. A vontade de voltar é sobretudo uma missão, de contar histórias, de fazer o meu trabalho… Quando eu era criança, queria ser jornalista. Aos oito anos, queria ser repórter de guerra. Por isso, na realidade, foi uma realização pessoal e profissional. Fazer aquilo é cumprir um objetivo de vida”, explicou.

“Acordámos com aviões a passarem por cima do hotel”

Pedro Mourinho revelou também alguns episódios vividos na Ucrânia e contou que ele e Nuno Quá, repórter de imagem que o acompanhou, chegaram a correr risco de vida.

“Houve uma primeira semana em que os russos chegaram a entrar em Kiev. Houve uma noite muito complicada em que eu e o Nuno Quá estávamos num hotel na Praça Maidan, a dormir, e acordámos com aviões a passarem por cima do hotel, mísseis a caírem, explosões, um som muito intenso. Chegas à conclusão de que são os russos a chegar e que vão tomar conta da cidade”, lembrou.

“Acabou por não acontecer, mas eles estiveram muito perto de nós, naquela zona onde estava o nosso hotel. Nós fomos vivendo várias fases da guerra, desde esta primeira em que os russos estavam a chegar. Depois viemos para Portugal, houve uma ordem para sairmos de lá. Regressámos duas semanas depois, com Kiev meio cercada, russos muito perto, e todas as noites ouvíamos bombardeamentos. Era muito intenso. Eu e o Nuno chegámos a viver situações que não falámos, mas que nos ficam na memória. Haverá momentos para falar sobre isso. Mas corremos risco de vida”, recordou.

“Ninguém vai para a guerra para enriquecer”

Desde o início da guerra na Ucrânia, têm corrido “notícias” de que os jornalistas estão a ganhar muito dinheiro para fazerem a cobertura no local. Pedro Mourinho garante que não é bem assim.

“Nesta guerra surgiram rumores nas redes sociais de que os jornalistas ganham balúrdios. Isso é completamente falso. E isto não é nenhuma crítica, nenhuma queixa. É aquilo que é pago. Nós temos um sentido de missão e é por isso que lá vamos, mas recebemos tanto na Ucrânia como receberíamos em Badajoz. São as ajudas de custo, 89 euros, e a pernoita, de 30. Isto será assim na RTP, na SIC e na TVI. Ninguém vai para lá para enriquecer, mas sim para contar o que está a ver, fazer o melhor trabalho possível, com um espírito de missão muito grande pelo seu canal, pela sua profissão, e mais nada”, concluiu.

Leia também: Figuras públicas expressam “respeito” por Pedro Mourinho e Nuno Quá após susto em Kiev

Receba todas as informações no seu smartphone.
Descarregue a App gratuita. Apple Store Download Google Play Download

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

ATV News

<>