fbpx

Susana Dias Ramos critica atitude de Rafael Mota: “O que ele fez foi calar a liberdade”

A atitude de Rafael Mota foi condenada pelos comentadores residentes de O Triângulo. Susana Dias Ramos condenou a atitude do concorrente.

Pedro Vendeira
4 min leitura

Rafael Mota recusou e impediu o restante grupo de concorrentes de cantar o “Grândola Vila Morena” no passado dia 25 de Abril e este domingo (30) os concorrentes foram confrontados com as imagens desse momento.

Após a transmissão do compacto, Cristina Ferreira confrontou o concorrente: “Rafael, foi o primeiro a manifestar-se e disse imediatamente que não. Porquê?

“Eu disse que não e depois tive a oportunidade de explicar a Mariana no caso que foi quem deu a ideia. Porque por uma questão de respeito, não só por todos os portugueses, por todos nós e pela nossa história, mas principalmente por aqueles que lá estiveram e por aqueles que fizeram acontecer“, começou por explicar Rafael Mota.

Mas por que é que cantar seria um desrespeito e não uma homenagem? Por exemplo?“, perguntou a apresentadora.

Porque existe uma letra, existe uma canção, existe uma letra a ser respeitada. E nós aqui dentro… pode haver pessoas não saberem a letra, não saberem a música, na sua totalidade, e isso pode, a qualquer momento, em que nós estamos a interpretar aquela música, pararmos e dizermos “então mas qual é a parte da música agora?” É pá, já não me lembro. Ou seja, de forma a guardar e deixar o respeito de todo que ela merece, eu optei, e dei a minha opinião de nós não o fazermos para isso não acontecer“, esclareceu o concorrente de “O Triângulo”.

De regresso a estúdio, Cristina Ferreira pediu a opinião dos comentadores residentes, Bruna Gomes, Flávio Furtado e Susana Dias Ramos.

“Nós vivemos, obviamente, isto, com a mesma intensidade que vivem as pessoas que assistem o programa. Obviamente, se eu ali estivesse teria perguntado ao Rafael, uma situação que aconteceu esta semana, para mim foi uma brincadeira, não foi no intuito de ofender, mas perguntava o que é mais desrespeitoso, se é cantar o “Grândola Vila Morena”, uma música de intervenção, que na realidade teve um forte papel naquilo que foi o 25 de abril de 1974, mas ou cantar a música não sabendo a letra, ou chamar a cabra alguém que mesmo tendo sido num contexto de brincadeira chamou“, afirmou Flávio Furtado.

“É a única dúvida, lá está, não percebo, mas também é aquilo que eles dizem, as coisas que cá fora têm outro peso, nós estamos sempre a espera de ver o trapezista cair, não é? Para nos rirmos um bocadinho e nos realities nós estamos sempre a espera de ver as coisas menos boas dos concorrentes e pegámos mais no grande no “Grândola Vila Morena” e na situação do cabra e outras coisas que aconteceram ao longo desta semana, do que eles lá dentro, porque na realidade passa tudo muito rápido”, acrescentou Flávio Furtado.

Susana Dias Ramos teceu duras críticas à atitude de Rafael Mota.

O Rafael para mim caiu um bocadinho, fiquei muito triste. Acho que antes de cantar torto, do que calar a liberdade, e naquele momento acho que o que ele fez foi calar a liberdade. Há 49 anos atrás, meu pai lutava pelo 25 de Abril e acabou preso. Portanto, eu vou sempre gritar, ainda que eu cante muito torto, o “Grândola Vila Morena” e eu irei gritar sempre, sempre, sempre a liberdade“, atirou Susana Dias Ramos.

Veja aqui e aqui os vídeos.

Siga-me:
Amante da tecnologia e apaixonado pela caixinha mágica desde miúdo. pedro.vendeira@atelevisao.com