TVI

Pesadelo na Cozinha: Empregados quiseram desistir e obrigam Ljubomir a pedir desculpa

© TVI

As queixas dos proprietários dos restaurantes visitados por Ljubomir Stanisic não param. Este domingo o Pesadelo na Cozinha visita o Ninho de Sabores, em Braga e o dono, Bruno Martinho sente-se revoltado e enxovalhado pelo chef jugoslavo «só para dar canal».

À TV7 Dias, o proprietário fala em manipulação de imagens, diálogos sugeridos e má educação. «A semana em que eles cá estiveram foi de muito stress, muitos nervos, foi mes­mo muito complicado», começa por dizer. «Uma pessoa não podia cortar o pão, que ti­nha uma câmara em cima, ia tirar um copo de vinho, estava lá outra. Depois queria movimentar-me e não dava. O espaço que estávamos habituados a ter para trabalhar, não o tínhamos», afirma, explicando que a produção vai aproveitar isso para passar uma imagem errada.

«Há uma situação que tenho a certeza que vão mostrar, mas que não vão mostrar tudo. Numa das noite em que ele esteve aqui com a cozinheira, era suposto ele estar lá den­tro a ajudá-la, mas a ajuda que deu foi zero, pelo contrário», afirma. Explicando o que aconteceu: «A cozinha é pequena, com duas câmaras lá dentro, mais dois homens de apoio a segurar os cabos, mais o chef… A Susana queria mexer-se e não conseguia. Queria lavar e não dava! Parecia que era de propósito, o chef estava sempre a chamar por ela. E os clientes à espera na sala», revela, acrescentando: «Quando dá na televisão os clientes à espera na sala, é o chef que está a empatar a cozi­nha! Não é a realidade!».

Bruno Martinho mostra-se preocupado com «a forma como as imagens vão ser editadas», mas garante estar de consciência tranquila. A pressão que sofreu é outra das suas queixas, que acabou por dizer aquilo que não queria.

«Aquilo é tanta pressão tanta entrevista. Fazem-nos a mesma pergunta mil e uma vezes, levam-nos ao limite para que nós digamos aquilo que eles querem! Eles tentaram e con­seguiram, que eu assumisse que a casa estaria fechada se o chef não tivesse vindo aqui! Hoje, com a cabeça fria, não sei como é que fui naquela conver­sa!», atira.

A relação entre o proprietário e o chef jugoslavo acabou por piorar no dia anterior à inauguração do renovado Ninho de Sabores, quando foi acusado de explorar Susana, a sua cunhada e cozinheira.

«Fui muito humilhado e eu não chamei o chef para me vir humilhar, chamei para me ajudar. A Susana pa­ra além de cozinheira é também minha sócia! E ele acusou-me de estar a ex­plorá-la! Como não arranjaram mais nada, disseram isso e jogaram com a vida pessoal da minha cunhada», admite, chateado. «Ela é viúva, o marido faleceu muito novo, com 37 anos, e foram apro­veitar-se disso. Agora eu vou aparecer no programa como um explorador! Que não é de todo a realidade».

Bruno, é mais um dos proprietários que não gostou da forma como foi tratado por Ljubomir Stanisic. «E depois é a forma como falou comigo… Eu tenho a minha educação e orgulho-me muito dela. Quando uma pessoa parte para o insulto e para uma linguagem menos apropriada, que foi o que ele fez, e vai certamente aparecer nas imagens porque ele gosta de apare­cer nessa figura, eu simplesmente não respondo», diz, afirmando que a sua postura irritou o chef jugoslavo. «Deve ter ficado frustrado e sem vontade de estar aqui. Ele queria canal e eu não dei. Não tomei comprimidos, tal como aconteceu com o dono de um outro res­taurante», conta, entre risos.

Esta situação levou a que os funcionários do restaurante se unissem contra a produção do programa e chegaram mesmo a ameaçar abandonar as gravações.

«Eles não queriam fazer mais parte disto por causa do que o chef me fez. Não acharam justo o comportamento dele comigo. Eu tinha de ali estar por causa do contrato, mas eles tinham-se ido embora se não falas­se com eles», esclarece. «Estive cerca de duas horas à conversa com o realiza­dor e depois o chef pediu desculpas pelo que me disse. Como é obvio, essa parte nunca vai aparecer, porque não dá canal. Foi muito injusto, sem­pre respeitámos toda a equipa», lamenta Bruno.

Outra situação polémica denunciada pelo proprietário aconteceu aquando das gravações das entrevistas.

«No dia em que era para gravar aquelas entrevistas fora daqui, a produção pediu para estar a equipa toda E, ao contrário do que aconteceu em todos os restaurantes, neste só quiseram falar comigo e com a Susana, nenhum dos outros funcio­nários teve direito à palavra», revela, sem saber os motivos que levaram a essa situação. «Não puderam falar mas obrigaram a que estivesse a equipa toda presente. Fizeram a miúda que ajuda no serviço de mesas faltar a uma aula para estar nessa entrevista e depois não quiseram entrevistar mais ninguém».

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close