TVI

Ministério Público investiga repórter da TVI pela prática de alegados crimes de discriminação

Bruno Caetano, da TVI, está a ser investigado pelo Ministério Público pela alegada prática de crimes de discriminação e de incitamento ao ódio devido a duas situações que aconteceram em novembro de 2017. Foi a própria Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) quem encaminhou o processo para aquele organismo.

Por essa altura, o repórter da TVI fez uma publicação no Facebook, na qual se queixava da violência interposta por pessoas de uma determinada etnia, e que viria a ser eliminada depois de os seus seguidores terem reagido mal ao conteúdo da mesma. De modo a defender-se dessa situação, Bruno Caetano declarou que foi alvo de ameaças, mas afirmou não ser xenófobo.

A investigação surge numa altura em que o profissional da estação de Queluz de Baixo se encontra debaixo de fogo devido não só ao facto de Mário Machado, líder do movimento de extrema-direita Nova Ordem Social, ter sido entrevistado pela TVI no âmbito da rubrica “Diga-me de sua (In)Justiça”, da responsabilidade de Bruno Caetano, mas também pelo próprio repórter ter afirmado em direto que, em certos aspetos, nomeadamente ao que à autoridade diz respeito, Salazar faz falta a Portugal.

O inquérito está a cargo do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, segundo avançou o Jornal de Notícias, e foi confirmado pela Procuradoria-Geral da República (PGR). A mesma notícia salienta também que ainda não foram constituídos arguidos.

De recordar, ainda, que logo após a emissão da entrevista a Mário Machado no programa “Você na TV”, da TVI, a ERC recebeu várias queixas, entre as quais se destaca o próprio Sindicato dos Jornalistas (SJ). Num comunicado intitulado “Em nosso nome não!”, publicado no Facebook, o SJ considerou “inqualificável” o tempo de antena concedido a Mário Machado.

Sobre toda a polémica que se instalou nos últimos dias em torno da TVI, as direções de informação e programação do canal referiram apenas que pretendem apostar numa “programação diversificada” e que “o debate entre diferentes correntes de opinião” é importante pois faz parte de “uma sociedade democrática, plural e tolerante”.

ATV News