TVI

Ljubomir: “Drogas eu compro sozinho, ok? Tenho um ‘dealer’ que me dá ótimas drogas”

É um Ljubomir sem papas na língua aquele que fala, em entrevista exclusiva a um grupo de alunos do curso escrita e cultura gastronómica ‘Papas na Língua’ e publicada no blog de Ricardo Dias Felner, ‘O homem que comia tudo’.

O cozinheiro mais famoso da televisão portuguesa, graças a Pesadelo na Cozinha, dá conta de que foi à falência em 2008 com o seu primeiro restaurante 100 Maneiras em Cascais, que abriu com o chef José Avillez, e de quem se desligou meses antes de falir: as drogas, a sua negligência constante e o ‘roubo’ de funcionários foram o motor para o período conturbado na vida do antigo soldado fratricida na Guerra dos Balcãs.

O problema real que me aconteceu foi ter pegado nas minhas coisas e ter ido para a China. Apaixonei-m pela cultura gastronómica chinesa e fiquei a viver em Xangai. Larguei o meu restaurante aqui em Portugal e os empregados e as pessoas que trabalhavam comigo roubaram-me tudo.

Carregando a culpa pela sua falência, que chegou a atingir o meio milhão de euros, acrescenta que “o culpado de tudo fui eu, quem tinha de sair desta m*rd* era eu”.

O cozinheiro que marca os serões vencedores de domingo à noite da TVI aproveita para demonstrar indiferença perante o ataque de que é alvo por parte dos seus críticos e, sobretudo, da imprensa. “Já fui chamado publicamente nos jornais de drogado, um gajo com traumas de guerra que é p*tanheir*. Nem me aquece, nem me arrefece”.

Renascido das cinzas, Ljubomir conta que recorreu à ajuda de uma psicanalista, ainda que utilizando métodos pouco convencionais para o pagamento das consultas. “Fui a uma psicanalista. Não tinha dinheiro, só um cartão de saúde privada. Entreguei o cartão para ir à consulta e não pagava. Estava a trafulha para ter a consulta. Achava que tinha uns problemas mentais para resolver”.

Logo na primeira consulta com a profissional de saúde, Ljubomir mostrou o seu registo provocador dizendo que “Drogas eu compro sozinho, ok? Tenho um ‘dealer’ que me dá ótimas drogas, por isso não quero as tuas. Quero que me aconselhes”. Mas a psicanalista, na terceira consulta, tentou receitar-me dois medicamentos. A reação do cozinheiro a isso? “Levantei-me e cuspi-lhe na cara. Diretamente. Sem medos nenhuns. Tinha-lhe pedido para não me dar drogas. Aquilo fez-me muita confusão: falhou uma regra que eu tinha implementado, numa altura em que estava mal”.

Ljubomir atribui, ainda assim, à atitude da psicanalista, o seu renascimento. Foi essa ‘violação da regra’ que o salvou, conclui.

Percebi que ninguém me podia ajudar. Agradeço-lhe o erro dela, fez-me sair e pôr-me à frente de tudo.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close