TVI

Jô Caneças atravessa fase difícil

Jô Caneças

Depois de na segunda-feira, Manuel Luís Goucha ter recebido Roberto Leal para falar sobre o cancro de pele contra o qual luta, foi a vez do apresentador ser recebido por Jô Caneças em sua casa para ouvir a história da socialite.

Jô confessa a Manuel Luís Goucha que a doença a tem limitado, mas que ainda assim tenta contorná-la e esquecer que a tem. Com a entrevista a ser concedia para servir de inspiração para quem passa pelo mesmo, a mulher de Álvaro Caneças conta que gosta “muito da vida, de ver gente”, daí que seja visita assídua do Casino Estoril.

A socialite conta que a doença lhe tenta limitar a vida. “Não posso dar beijos, os médicos proibiram-me”, diz desgostosa. Além disso, há cheiros que já não suporta como o das lacas e dos perfumes, mas o pior é ter de lidar com as sessões de quimioterapia. “São cinco horas a levar com o cateter. Trago a botija para casa e estou mais 48 horas a levar com aquela droga. Quando tiro, parece que ainda fico pior… Parece que me faz falta! Chego a andar de cadeira de rodas”, diz.

Com o cancro no pâncreas a progredir para outros órgãos como o fígado, os médicos avançaram com sessões de quimioterapia antes da operação. Nessa altura, Jô conseguia aguentar as dores. A própria acredita que o facto de estar “fortezinha” ajudava a aguentar, o problema são as sessões pós-operação. Com as sessões de quimioterapia, viu-se obrigada a rapar o cabelo.

Jô conta ainda que foi operada durante sete horas e meia, tendo levado 40 pontos no total. Quando acordou recorda de ter pensado para si mesma que “parecia uma astronauta”.

Sobre o apoio familiar, a mulher de Álvaro Caneças reforça a sua importância, pois se não fosse o marido a dar-lhe força e a acompanhá-la aos tratamentos teria desistido. “Esta doença começa a entrar em nós e muda a cabeça e o organismo”, desabafa.

A mulher de Álvaro Caneças garante que, se não fosse o marido, já teria desistido. «Ele dá-me força e vai comigo [aos tratamentos]. Se não fosse ele, em algumas alturas, já tinha desistido. Esta doença começa a entrar em nós e muda a cabeça e o organismo», frisa.

Com uma mensagem de esperança sempre presente ao longo da entrevista, Jô apela a quem enfrenta este tipo de situações “Nunca desistam. Não cruzem os braços, vão à luta. Procurem outros médicos, recorram a produtos naturais. Peçam a Deus, mas não deixem a medicina. Vão sempre até à última”.

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close