fbpx
TVI

Cláudio Ramos faz emotiva reflexão sobre a pandemia da Covid-19

Cláudio Ramos
Instagram

Cláudio Ramos partilhou um longo texto nas redes sociais onde recordou os dias em que ainda não existia a pandemia da Covid-19. O apresentador deixou ainda um apelo aos seguidores.

“… Diz que hoje muda a hora. Recuemos então no tempo. Não é preciso muito. Recuemos até ao dia onde andávamos pela rua sem medo. Onde as máscaras eram uma coisa de médicos e enfermeiros. O gel desinfectante ocasional. Os abraços uma constante. Saíamos sem pensar e voltávamos a sair vezes sem conta”, começou por escrever Cláudio Ramos.

“Recuemos ao tempo onde vivíamos cheios de certezas absolutas. Onde viajar dependia apenas de dinheiro e agenda. Onde se ia ao teatro sem medo, ao cinema sem medo, a um concerto sem medo. Onde marcávamos um jantar sem medo, conhecíamos um brunch sem medo, descobríamos lugares sem medo. Recuemos ao tempo onde se respirava sem medo! Hoje, que muda a hora, cada um de nós pode ir onde quer usando a imaginação”, acrescentou, deixando um alerta.

O que não nos podemos esquecer é que o mundo não recua como a hora e por isso é importante o cuidado. É importante a máscara. A distância de segurança. Evitar lugares com gente. O mundo está diferente de como nos foi apresentado. Mudou de repente. O mundo reclama atenção. Está obviamente zangado. Não brinquemos com coisas sérias que estão aí os números a avisar toda a gente que quem manda no universo é o universo. Não é o homem. Por muito importantes que nos achemos”, salientou.

Cláudio Ramos terminou o texto afirmando que o medo existe e que é preciso respeitarmo-nos uns aos outros. “O medo condiciona? Claro que sim. É preciso dar-lhe tempo e espaço. Não permitir que nos silencie. Mas há que o respeitar. Respeitemo-nos uns aos outros. Tenham um sábado feliz meus mais lindos. Feliz e seguro”, finalizou Cláudio Ramos.

View this post on Instagram

… Diz que hoje muda a hora. Recuemos então no tempo. Não é preciso muito. Recuemos até ao dia onde andávamos pela rua sem medo. Onde as máscaras eram uma coisa de médicos e enfermeiros. O gel desinfectante ocasional. Os abraços uma constante. Saíamos sem pensar e voltávamos a sair vezes sem conta. Recuemos ao tempo onde vivíamos cheios de certezas absolutas. Onde viajar dependia apenas de dinheiro e agenda. Onde se ia ao teatro sem medo, ao cinema sem medo, a um concerto sem medo. Onde marcávamos um jantar sem medo, conhecíamos um brunch sem medo, descobríamos lugares sem medo. Recuemos ao tempo onde se respirava sem medo! Hoje, que muda a hora, cada um de nós pode ir onde quer usando a imaginação. O que não nos podemos esquecer é que o mundo não recua como a hora e por isso é importante o cuidado. É importante a máscara. A distância de segurança. Evitar lugares com gente. O mundo está diferente de como nos foi apresentado. Mudou de repente. O mundo reclama atenção. Está obviamente zangado. Não brinquemos com coisas sérias que estão aí os números a avisar toda a gente que quem manda no universo é o universo. Não é o homem. Por muito importantes que nos achemos! . O medo condiciona? Claro que sim. É preciso dar-lhe tempo e espaço. Não permitir que nos silencie. Mas há que o respeitar. Respeitemo-nos uns aos outros. Tenham um sábado feliz meus mais lindos. Feliz e seguro. 🤍 #euclaudio #claudioramos #saudeepazorestoouniversotraz

A post shared by Claudio Ramos (@claudio_ramos) on

Leia também: Covid-19. Portugal regista novo recorde de casos diários: 3.669 infetados

Receba todas as informações no seu smartphone.
Descarregue a App gratuita. Apple Store Download Google Play Download

ATV News