fbpx
SIC

SIC: Emissão obrigacionista rende 51 milhões de euros

Sic Balsemao Sic: Emissão Obrigacionista Rende 51 Milhões De Euros
Divulgação SIC

A SIC garantiu que investir no seu projeto seria lucrativo, serviu-se dos seus principais ativos – como Cristina Ferreira e Júlia Pinheiro – e conseguiu captar 51 milhões de euros, quando esperava inicialmente cerca de 30 milhões. 

A emissão obrigacionista da SIC valeu-lhe um reforço de capital que, devido à elevada procura, sofreu ajustes durante a operação, uma vez que só nos primeiros dois dias, as subscrições chegavam aos 86,5 milhões de euros, tendo a procura bruta, da operação (agora concluída), ficado próxima dos 202 milhões de euros.

Recorde-se que, a emissão de dívida tinha definido como investimento base o valor de 1500 euros para um mínimo de 50 obrigações. Do total de 10.426 investidores que subscreveram obrigações da SIC para o triénio de 2019-2022, a grande maioria (48%) investiu entre 1.500 e 3.000 euros, 30% a optarem por alocar entre 3.030 euros e 9.990 euros e mais 14% que decidiram investir entre 10.020 euros e 49.980 euros. Houve ainda um lote de 30 investidores (8%) com uma subscrição de obrigações em montantes acima da fasquia dos 50 mil euros.

As obrigações emitidas pela SIC serão liquidadas no próximo dia 10 de Julho, tendo uma maturidade a três anos, com reembolso no dia 11 de Julho de 2022 e uma taxa de juro nominal bruta de 4,5% ao ano.

Para o canal, a taxa de juro líquida de impostos é de 3,26%, sendo que o objetivo da SIC com esta emissão obrigacionista passava “diversificar as fontes de financiamento e alargar a maturidade média da dívida” da empresa.

Receba todas as informações no seu smartphone.
Descarregue a App gratuita. Apple Store Download Google Play Download

1 Comentário

Clique aqui para comentar

  • A empresa anda com problemas financeiros? Porque motivo necessita de pedir dinheiro emprestado? Diversificação de fontes de dinheiro faz sentido se for para eles (SIC) ganharem mais dinheiro, não é para devolverem o dinheiro e ainda mais algum a quem o empresta… isso não parece diversificação mas sim andar à rasca.
    Diversificação não deveria ser antes algo como começar a cobrar para ver os canais online, ou para utilizar o web site, ou coisa do género? (Mesmo que isso leva-se as pessoas a deixarem de utilizar tal de todo… mas todas as que utilizassem teriam de pagar.)

ATV News