SIC

«Más Ações» em Grande Reportagem SIC

Viviam-se tempos de euforia na bolsa portuguesa. Nos anos de 2000-2001 já quase nenhum português se lembrava do alerta de Cavaco Silva que, em 1987, então primeiro-ministro, fizera aos pequenos investidores da bolsa – “poderiam a estar a comprar gato por lebre”. É certo que o alerta do chefe de governo, ainda para mais doutorado em economia e licenciado em finanças, provocou um “crash” na bolsa, à conta da desconfiança que instalou nos incautos compradores de ações. Mas, nos anos 2000-2001, a frase de Cavaco já era passado e a euforia estava de novo entre nós. Vivíamos, pois, o tempo do capitalismo popular. E, nesses anos de ilusão, as ações de um banco, que crescia desmesuradamente, despertaram, muito mais do que outras da época, o interesse de milhares de portugueses.

O BCP era uma marca de confiança absoluta. Agigantara-se integrando, debaixo da asa tutelada por Jorge Jardim Gonçalves, o Banco Português do Atlântico, o Banco Pinto e Sotto Maior e o Banco Mello. O sucesso da liderança do engenheiro do OPUS DEI abraçou o país e, nas campanhas acionistas dos anos 2000-2001, a possibilidade de estender a base acionista do grupo BCP ao povo, tocou no coração do povo.

18 anos depois, a Grande Reportagem SIC recorda essa história através do testemunho de pequenos acionistas, alguns ex-funcionários do BCP, que compraram sem freio para os próprios, para as mulheres, maridos, filhos, pais, tios, sobrinhos, amigos. Em dois episódios a SIC conta a história de Abílio, Artur, Fernanda, Aníbal, Jaime.

O BCP, de Jardim Gonçalves, criou 21 offshores que se limitavam a comprar e a vender, em massa, ações do próprio banco. Quando, finalmente, o Banco de Portugal percebeu o papel destas offshores, obrigou o banco a desfazer-se delas, mas os prejuízos acumulados nunca foram refletidos no balanço do banco. Jorge Jardim Gonçalves, Filipe Pinhal e António Rodrigues, a tríade de administradores do BCP, foi condenada, a dois anos de cadeia, por cosmética de balanço. Mas esse processo, como lhe provaremos, poderia ter tido um desfecho ainda mais pesado para o homem que fundou e alimentou o BCP e para os seus dois mais diretos colegas de carteira.

As duas grandes reportagens debruçam-se, igualmente, sobre as ligações entre o BCP e o OPUS DEI, tentando levantar o véu sobre segredos há muito guardados.

Más Ações é uma ‘Grande Reportagem’ em dois episódios de Pedro Coelho, com imagem de José Silva, edição de imagem de Ricardo Tenreiro, grafismo de Patrícia Reis, produção de Diana Matias e Mariana Teófilo Cruz, pós produção vídeo de José Dias e pós produção áudio de Octaviano Rodrigues.

Para ver dias 10 e 17 de outubro, no Jornal da Noite.

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close