fbpx
SIC

Liliana Campos faz longo desabafo: “Se calhar, desaparecer seria o melhor”

Liliana-Campos
Instagram

A anfitriã do programa ‘Passadeira Vermelha’, da SIC Caras, fez um longo desabafo na rede social Instagram.

Nele, explicou o quão dura chegou a ser a sua vida, especialmente na fase em que perdeu a mãe, e de como teve de ser ajudada por especialistas. Admitiu, até, que sentiu vontade de “desaparecer para sempre” e “sem dizer nada a ninguém”.

“Estava numa espiral de dor. Soube que precisava de ajuda. O Rodrigo não sabia lidar com a situação e eu também não. Não via saída. Não tinha força para lutar, para pegar nos cacos e reconstruir o que eu tinha deixado destruírem”, confessou.

Leia aqui o texto completo:

Senti, depois daquelas minhas palavras no Passadeira Vermelha, que quando estivesse mais fortalecida falaria melhor com vocês sobre o que vivi e que me levou a precisar de ajuda especializada.

A partida da minha mãe foi muito dolorosa, pelo sofrimento que presenciei, mas esse não foi o motivo principal. Eu sabia que a mãe já estava num lugar melhor. Aliás, nunca há um motivo, são sempre vários.

Quando me dei conta da maldade que existia à minha volta, das mentiras, do estar a contar com um porto que pensei ser seguro, mas que afinal estava completamente minado, de várias tentativas para que eu e o Rodrigo nos afastássemos, fez-me perceber que durante os quatro anos em que, juntamente com o meu irmão, fomos cuidadores da minha mãe, tinha mesmo tido a minha vida stand-by, e não tive tempo, consciência ou capacidade para ver quem me rodeava e da forma como o faziam.

Tudo isto acompanhado com o início de um tratamento de fertilização contra o tempo e a menopausa, que para mim estava a chegar precocemente e que me ia impedir de gerar o bebé que tanto desejava, mas que fui adiando…

Pela minha ginecologista, a Dra. Linda Fradique, fui aconselhada a procurar a psiquiatra Dra. Ana Peixinho, ambas do @lusiadassaude. Mais uma vez não era só a menopausa que me fazia estar ali, havia muito mais para tratar. Na altura, não conseguia ver nada de bom…
Estava numa espiral de dor. Soube que precisava de ajuda. O Rodrigo não sabia lidar com a situação e eu também não. Não via saída. Não tinha força para lutar, para pegar nos cacos e reconstruir o que eu tinha deixado destruírem.

Nessa altura, achei que não estava cá a fazer nada. Se calhar, desaparecer seria o melhor. Desaparecer para sempre. Desaparecer daqui. Desaparecer sem dizer nada a ninguém e ir para o outro lado do mundo. O trabalho que já tinha sido o meu escape durante a doença da minha mãe continuou a ser muito importante para mim. Não quis baixa, não faltei um único dia.

Ali, desligava e, por momentos, tentava abstrair-me do meu mundo a desabar. Mas ia para casa e não dormia. Achei que podia ficar maluca por não conseguir descansar. Recorri a terapias alternativas e apareceram várias pessoas que ainda hoje ocupam um lugar importante na minha vida – falo do Nuno, do Gonçalo, da Manú, da Rute e da Lisa, cada um por motivos diferentes, mas todos eles de uma importância vital.

As Constelações Familiares com a terapeuta Joana começaram a aliviar a minha dor. Sou-lhe muito grata. Preciso de voltar a estar com ela para lhe transmitir o quão importante foi e continua a ser na minha vida. E voltar a fazer aquelas terapias que tanto me ajudaram.

O meu primo Paulo, o amigo que esteve sempre comigo, falou-me da Dra. Rosa Basto. Fez-me acreditar que a Dra. seria determinante na minha vida. Acreditei nele e assim foi. Na verdade, não estive muitas vezes com a Dra. Rosa, mas estive sempre que precisei e sei que temos uma relação para o resto da vida, quer seja a de paciente com a sua médica, quer seja a de amizade.

Está difícil terminar este texto. Claro que é pela importância que tem, porque não quero deixar nada por dizer, é porque o poder de síntese nunca foi o meu forte.

View this post on Instagram

💦💦💦 Senti, depois daquelas minhas palavras no Passadeira Vermelha, que quando estivesse mais fortalecida falaria melhor com vocês sobre o que vivi e que me levou a precisar de ajuda especializada . A partida da minha Mãe foi muito dolorosa, pelo sofrimento que presenciei , mas esse não foi o motivo principal. Eu sabia que a Mãe já estava num lugar melhor. Aliás nunca há um motivo são sempre vários. Quando me dei conta da maldade que existia à minha volta , das mentiras , do estar a contar com um porto que pensei ser seguro , mas que afinal estava completamente minado, de várias tentativas para que eu e o Rodrigo nos afastássemos, fez-me perceber que durante os 4 anos em que juntamente com o meu irmão fomos cuidadores da minha Mãe,tinha mesmo tido a minha Vida stand-by,e não tive tempo,consciência ou capacidade para ver quem me rodeava e da forma como o faziam. Tudo isto acompanhado com o início de um tratamento de fertilização contra o tempo e a menopausa, que para mim estava a chegar precocemente,e que me ia impedir de gerar o bebé que tanto desejava,mas que fui adiando… Pela minha ginecologista, a Dra Linda Fradique fui aconselhada a procurar a psiquiatra Dra Ana Peixinho, ambas do @lusiadassaude. Mais uma vez não era só a menopausa que me fazia estar ali, havia muito mais para tratar. Na altura não conseguia ver nada de bom… Estava numa espiral de DOR. . Continuo no próximo Post.O Instagram não me deixa escrever mais neste 🙃. .

A post shared by Liliana Campos (@lilianacamposoficial) on

View this post on Instagram

💦💦💦. Continuação do último post… . Soube que precisava de ajuda. O Rodrigo não sabia lidar com a situação, e eu também não. Não via saída . Não tinha força para lutar… para pegar nos cacos e reconstruir o que eu tinha deixado destruírem. Nessa altura achei que não estava cá a fazer nada. Se calhar, desaparecer seria o melhor . Desaparecer para sempre. Desaparecer daqui. Desaparecer sem dizer nada a ninguém e ir para o outro lado do Mundo. O trabalho que já tinha sido o meu escape durante a doença da minha Mãe, continuou a ser muito importante para mim. Não quis baixa, não faltei um único dia. Ali desligava e por momentos tentava abstrair-me do meu Mundo a desabar. Mas ia para casa e não dormia. Achei que podia ficar maluca por não conseguir descansar. Recorri a terapias alternativas e apareceram várias pessoas que ainda hoje ocupam um lugar importante na minha Vida – falo do Nuno, do Gonçalo, da Manú, da Rute e da Lisa, cada um por motivos diferentes, mas todos eles de uma importância vital. As Constelações Familiares com a terapeuta Joana, começaram a aliviar a minha Dor. Sou-lhe muito grata. Preciso de voltar a estar com ela para lhe transmitir o quão importante foi e continua a ser na minha Vida. E voltar a fazer aquelas terapias que tanto me ajudaram. O meu primo Paulo, o amigo que esteve sempre comigo, falou-me da Dra Rosa Basto . Fez-me acreditar que a Dra seria determinante na minha Vida . Acreditei nele, e assim foi. Na verdade não estive muitas vezes com a Dra Rosa, mas estive sempre que precisei , e sei que temos uma relação para o resto da Vida, quer seja a de paciente com a sua médica , quer seja a de amizade. ( Está difícil terminar este texto. Claro que é pela importância que tem, porque não quero deixar nada por dizer, é porque o poder de síntese nunca foi o meu forte …). . @clinicadrarosabasto .

A post shared by Liliana Campos (@lilianacamposoficial) on

Receba todas as informações no seu smartphone.
Descarregue a App gratuita. Apple Store Download Google Play Download

ATV News