SIC

Júlia Pinheiro revela a sua dramática história de vida

Durante a apresentação da nova temporada da SIC, na passada segunda-feira, no Teatro Capitólio, Júlia Pinheiro fez revelações surpreendentes sobre o seu passado. A apresentadora da SIC publicou agora para todos, a história do seu passado.

A partir de outubro, vai conduzir o seu novo programa das tardes, Júlia.

João Paulo Rodrigues emociona Júlia Pinheiro na sua despedida do «Queridas Manhãs»

Quero a vossa atenção por uns minutos.
Gostava que vissem esta fotografia.
Não tem nenhum mistério. Não se destaca por nenhuma singularidade aparente .
Contudo, posso dizer-vos que sobre esta criança risonha e e feliz, paira uma sombra.
É ainda muito pequena mas sabe que à sua volta existe uma ameaça. Uma morte anunciada e quase eminente, adultos focados nas suas preocupações.
Esta criança está sozinha. Amada, cuidada, mas emocionalmente sozinha.
O tempo passou. Os adultos tiveram que cuidar das suas vidas. Esta menina ficou ao cuidado das empregadas, a tragédia familiar já acontece. Uma avó muito amada morreu no quarto ao lado. A escola esperava-a mas chegou lá um bocadinho tarde demais. Odeia a escola, tem um medo terrível da hora de fecho da escola porque acha que se vão esquecer dela. Acaba a primeira classe sem saber ler nem escrever. Anuncia-se um percurso académico catastrófico.
As histórias singulares vivem sempre ao lado da grande História. O mundo está a mudar quando a família desta criança menina resolve ir viver para Moçambique. O pai, o grande herói desta criança, parte para preparar o caminho. A História devolve um colapso. Uma revolução, novos países e esta menina perde o pai de vista durante dois anos. Quando se reencontrarem não serão as mesmas pessoas. Entra no Liceu, o pior Liceu da área metropolitana de Lisboa. Esta adolescente é agora vítima de bullying, é objeto de várias humilhações. A razão não interessa. Quem é diferente incomoda sempre. E esta adolescente afrontava todos. Digna, forte e desconcertantemente alegre.
Venceu o bullying, mas quase não conseguia vencer o que o destino lhe tinha reservado.
No local onde nasceu, o melhor que se podia aspirar era lecionar. Ser professora de liceu. A mãe, muito autoritária estilhaçou-lhe os sonhos, o pai regressado de um exílio forçado só queria exercer disciplina e esquecer-se de que esta menina estava quase a ser uma mulher.
A história está quase no fim. Esta mulher nunca fez nada do que as exigências familiares a obrigavam. Jurou que nunca se casaria, nem teria família. E virou o jogo.
E agora, estão a fazer a pergunta. O que é aconteceu a esta rapariga?
Tinha o mundo todo contra ela mas fez tudo o que não se esperava. Colocou um foco absoluto num objetivo profissional inatingível.
Esta mulher está aqui…
Vai ter um programa em nome próprio.
Esta rapariga sou eu e a partir do mês de Outubro vou contar histórias.
Tenho uma cadeira mágica, na qual todas as pessoas são extraordinários.
Muito obrigada.

«Júlia» o novo programa das tardes da SIC

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close