fbpx
SIC

Filipe Pinto defende que talent shows deveriam ser mais «espaçados» no tempo

Filipe Pinto Filipe Pinto Defende Que Talent Shows Deveriam Ser Mais «Espaçados» No Tempo

Filipe Pinto

Filipe Pinto foi o vencedor da terceira edição de Ídolos e realça a importância do formato para concretizar o seu sonho de viver da música. Contudo, destaca o «trabalho, porque se ao início temos as participações decorrentes da vitória, depois temos de nos esforçar para continuar nesse caminho».

O cantor que lança novo álbum de originais no início de 2016 recorda a sua participação em Ídolos. «No programa cresci como músico, depois tem de haver um trabalho pessoal, a vontade constante de melhorar a cada dia, de procurar novas sonoridades, para surpreender o público», contou à Sexta.

Apesar deste balanço positivo, Filipe Pinto critica as constantes edições de talent shows de cariz musical. «Sendo Portugal um país tão pequeno as edições deste tipo de concursos deveriam ser mais espaçadas no tempo para permitir a renovação das gerações e o desenvolvimentos dos talentos», justificou.

Receba todas as informações no seu smartphone.
Descarregue a App gratuita. Apple Store Download Google Play Download

12 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Mas quê? Sente-se ameaçado? Estes programas não têm como principal objectivo lançar talentos, embora pareça, o objectivo é captar audiências e nem sempre pelos supostos talentos,também pelos “cromos”… Os vencedores que de lá saem ou já têm futuro na área antes ou acabam no esquecimento. Na musica em Portugal continua a vingar só o factor C meu caro. Ou então ter papás ricos…

      • Sim, não deixa de ter razão na essência. Mas para estes programas como digo pouco importa quem ganha ou se a quantidade de concursos prejudica o panorama ou a qualidade de quem já trabalha árduo na música, o que eles querem é audiências. Que é isto que o Filipe não pode dizer à descarada sob pena de lhe “cortarem as pernas”. Mas eu posso. Esses programas uns em cima dos outros não respeitam ninguém, nem os vencedores, nem os concorrentes, nem o publico. Querem é gente a ver. Porque se não desse audiencias estes concursos eram seguramente menos frequentes, mas o pessoal continua a a sintonizar no programa… é como as telenovelas ou os “big brother’s”. Embora tenha razão nada vai mudar enquanto as mentalidades não mudarem. Enquanto pensaremque ser musico não é trabalho..

        • Nem mais, estes programas não querem criar e apoiar novos talentos, o objectivo #1 é audiências
          Se fosse acerca de apoiar novos talentos, nao os deixavam entregues a si próprios após o final do programa…

    • Não compreendo bem o seu comentário. Por um lado, parece criticar o Filipe ao perguntar se ele se sente ameaçado, por outro termina a dizer que na música em Portugal vinga o factor C.
      Quanto ao resto, é tudo verdade. Nem percebo tanta aposta em talent shows musicais nos últimos anos, as audiências verdadeiramente não o justificam.
      Mesmo nos países com indústrias musicais a sério, em particular EUA e RU, participar ou mesmo ganhar um destes programas não é garantia de nada, quanto mais aqui.

      • Posso ter-me feito entender mal. Não é realmente uma critica ao Filipe, só o “é” digamos, pois parece que o Filipe esperava outra coisa quando venceu o ídolos. Pois se quer vingar tem que trabalhar muito e não se preocupar com estes concursos se são muitos ou poucos bons ou maus, tem de trabalhar para ter sucesso e os outros vencedores podem ser sim uma ameaça ao seu sucesso, basta que o Filipe “passe de moda” se me faço entender… O Filipe não pode simplesmente sentar-se e viver dos “rendimentos”, porque os não há. Pois de facto (é o problema da linguagem escrita) parece que o Filipe está com medo da concorrência por assim dizer. E se os “outros” percebem isso, esmagam-no…

  • A verdade é que ele tem razão, os anos passam e olhamos para as ofertas que os canais nos dão e o que dá vontade de dizer é ”outra vez arroz”.

    • Nem mais

      Aliás é tão notório que não há talentos suficientes no mercado, que até os rejeitados do “Ídolos” ou “Operação Triunfo” foram competir ao “The Voice”

      E o “Rising Star” foi um flop porque com tantos castings para tantos talent shows a decorrerem ao mesmo tempo num país pequeno, não conseguiram arranjar cantores suficientemente bons, logo o programa não teve interesse nenhum, mesmo com inovações tecnológicas, ser bom apenas ao nível de cantor de karaoke não chega…

  • A inexperiência destes novos cantores é enorme. Os antigos concorrentes, finalistas, vencedores onde estão agora? Maior parte desapareceram por completo. Com estes Ídolos vai ser o mesmo. Nem mesmo os vencedores de edições tem futuro certo.

ATV News

<>