SIC

Filho de Júlia Pinheiro está doente «é como ter vidro a morar na garganta»

O filho mais velho de Júlia Pinheiro, Rui Maria Pêgo, está em sofrimento devido a uma amigdalite. O comunicador desabafou com os fãs e contou em pormenor os sintomas da inflamação, que só neste ano já vai na «quarta amigdalite».

«Estou com amigdalite. Outra vez. Para quem nunca teve é como ter vidro a morar na garganta e a roçar-se feliz no que pode. Uma amigdalite é um castigo silencioso tornado bactéria que se aloja e nos domina. Tira-nos a energia. Suga-nos o bom humor. Em casos limite, impede-nos de comer e beber – dobra-nos», começa por contar o locutor da rádio Mega Hits, recordando a pior amigdalite que já teve na sua vida.

«Este céu arrancado agora e guardado aqui é só um reminder da pior de todas vivida exatamente neste quarto exatamente há 3 anos. Exatamente. Era tudo muito diferente. Cegava de febre. Não comia. Por isso e não só por isso», relembrou o também apresentador.

«Bem-vindo, Outono! Quem está comigo neste barco da infecção sazonal?», questiona Rui, recebendo de seguida várias mensagens de melhoras dos seguidores e algumas dicas de produtos.

View this post on Instagram

Estou com amigdalite. Outra vez. Para quem nunca teve é como ter vidro a morar na garganta a roçar-se feliz no que pode e encontra. É um castigo silencioso tornado bactéria que se aloja e nos domina. Tira-nos a energia. Suga-nos o bom humor. Em casos limite, impede-nos de comer e beber – dobra-nos. Já as tive na rádio, no teatro, no Filho da Mãe, em exames e muito apaixonado. Não me parece haver aqui um moodboard. Este céu arrancado agora e guardado aqui é só um reminder da pior de todas vivida exactamente neste quarto exactamente há 3 anos. Exactamente. Era tudo muito diferente. Cegava de febre. Não comia. Por isso e não só por isso. Na altura, aproveitei e revi todas as temporadas de Sete Palmos de Terra e chorei desde as vísceras como um branco privilegiado que mora num país sem guerra mas que tem DOR e DRAMAS e HEARTBREAK. Importa aqui reforçar: o sofrimento não leva escala de gradação. Embora, visto à distância, há lugares de partida que são Trevas. Lembram-se de quando a Claire vai embora e todos envelhecem? E as fotografias mudam todas na parede? Será para sempre o meu season finale preferido. Disse de sempre? De sempre. Para gente in synch com patcholi e Eckhart e luas e túneis multidimensionais, as amigdalites surgem por não verbalizarmos a raiva que sentimos. É o significado espiritual, assomam os que conhecem o IRS mas que prefeririam pagar em karma. Percebo-os. Devo ter algum para queimar. A verdade é que não sei. O que reconheço é que este céu é muito bonito, que não há amor como o dos pais e que voltar ao quarto onde matámos mais do que 22 demónios é o antídoto certeiro para a quarta amigdalite do ano. Bem-vindo, Outono! Quem está comigo neste barco da infecção sazonal? #bleçed

A post shared by Rui Maria Pêgo (@ruimariapego) on

4
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
0 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
Maria BrandãoPauloJose Manel Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Jose Manel
Visitante
Jose Manel

Coitadinho. A mim doem-me os calos.

Jose Manel
Visitante
Jose Manel

Coitadinho. A mim doem-me os calos.

Paulo
Visitante
Paulo

Boa tarde e as melhoras!
Meu caro,
Há 2 táticas – penicilina e, caso não funcione, ir à faca.
Há 1 estratégia – antes de ir à faca, adiar a cirurgia, argumentando que está com amigdalite. Repouso e muito Mel e Limão.
É um sofrimento bárbaro, entre febres, dores e perdas que podem ultrapassar os 25% do peso.
FUJA DOS ARES CONDICIONADOS!!!
1 abraço,
Paulo

Maria Brandão
Visitante
Maria Brandão

Haja algum senso!!! Porque esta banalidade sem qualquer relevância social, política, cultural……é notícia? Porque carga de água, tenho que ler estas misérias?!.. Armem as gavetas do cérebro. Isto é medonho!!