fbpx
SIC

António Pedro de ‘Hell’s Kitchen’ pronto para vencer. Fez sucesso no estrangeiro

António Pedro, Hell'S Kitchen Sic
António Pedro

António Pedro de ‘Hell’s Kitchen’, na SIC, herdou o jeito para a cozinha da avó, começou cedo a trabalhar e aos 19 anos mudou-se para Oslo. Agora regressou a Portugal e pronto para vencer no programa de Ljubomir Stanisic.

António Pedro, de ‘Hell’s Kitchen’ já conquistou os portugueses e o mundo. O jovem começou cedo a trabalhar e aos 19 anos mudou-se para Oslo. De regresso a Portugal para participar no programa da SIC, o concorrente mostra ter muito talento para a cozinha.

A herança veio da avó “Manda”, mãe do seu pai. “Era a típica avó que tem as receitas que ninguém quer perder e passou-as mais para o Pedro. Lá em casa, todos gostam muito de cozinhar, a mãe e o pai dele também. E acabou por ir acontecendo naturalmente. Ele via a avó a cozinhar e foi-se interessando”, conta a prima de António Pedro, Isabel Vieira à Tv Mais.

Quando terminou o 9º ano, o concorrente de ‘Hell’s Kitchen’ optou pelo curso profissional de cozinha e foi nessa altura que o seu mundo mudou.  “Ele mal começou a estudar quis também trabalhar. No primeiro ano de cozinha, ao mesmo tempo que estava a estudar, foi estagiar para o hotel Meliá para perceber se era o que ele queria; no segundo ano, esteve no Pestana, com o chef Álvaro Costa, que se tornou quase um amigo da família; e, no terceiro, esteve no restaurante X, na zona da Foz, onde acabou por ficar quase um ano”, acrescenta.

O desejo de obter mais conhecimento fê-lo procurar outros voos e aos 19 anos, tentou a sorte fora do país. “O Pedro ainda esteve a trabalhar no Café In, aqui no Porto, mas quando saiu achou que trabalhar num dos melhores restaurantes do mundo ia ser maravilhoso a todos os níveis. E foi à procura de oportunidades. Candidatou-se para o restaurante Maaemo, na Noruega, e foi aceite”, recorda a prima.

Este mudança apanhou a família de surpresa. “Custou muito aos meus tios, mas confiavam que era a escolha dele, o melhor para o seu futuro, e ele lá foi. Falavam todos os dias, porque queriam continuar a fazer parte da vida uns dos outros. E, no fundo, sabíamos que o Pedro estava bem.

Em Oslo, António Pedro deu nas vistas e o seu talento foi imediatamente reconhecido. “Repare, aquele restaurante estava no top 50 a nível mundial. Ficou lá durante quatro meses e começou a receber muitos convites, a conhecer pessoas e acabou por ir para a Ópera de Oslo em 2014. Tinha 20 anos”, diz orgulhosa Isabel.

Na Noruega começou a trabalhar no restaurante Cru, onde esteve três anos. “Esta experiência foi muito marcante, porque ele era o sous chef, [subchefe de cozinha] geria o staff, as férias das pessoas, as ementas, os horários. Era a ligação entre a equipa e o investidor. Isso deu-lhe um grande know how [conhecimento].

Contudo, o mundo parou devido à pandemia e o jovem estava por Portugal para celebrar o aniversário do pai.

Foi quando fecharam as fronteiras e ele acabou por ficar cá alguns meses. Isso fê-lo sentir ainda mais que era altura de regressar depois de sete anos lá. Custou imenso voltar, largar o restaurante ao qual se tinha dedi- cado tanto tempo. Foi um misto de emoções”, confidencia Isabel Vieira à revista Tv Mais.

Ele gostava muito de lá estar, mas tinha muitas saudades da família, do sol, de viver perto do mar, porque cresceu na zona da Foz”, salienta.

Já em Portugal, António Pedro viu o apelo aos castings para o ‘Hell’s Kitchen‘, da SIC e encontrou aí uma oportunidade. “Achou que seria um bom desafio a todos os níveis, tanto pessoal como profissional, o aprender bastante, conhecer pessoas. E como confia bastante no trabalho dele, apesar de ser uma pessoa mais recatada, que não levanta tantas ondas, inscreveu-se. E foi para ganhar”, avisa.

Leia também: Ljubomir Stanisic já grava segunda temporada de ‘Hell’s Kitchen’

Receba todas as informações no seu smartphone.
Descarregue a App gratuita. Apple Store Download Google Play Download

ATV News