fbpx
A Reportagem Rubricas

A Reportagem – Júlia Pinheiro um ano depois do regresso à SIC

Julia Pinheiro 2 A Reportagem - Júlia Pinheiro Um Ano Depois Do Regresso À Sic

O Primeiro ano de SIC

Nos últimos doze meses, Júlia Pinheiro já fez inúmeras aparições no canal de Carnaxide. Logo a 14 de janeiro, teve o programa Companhia das Manhãs totalmente dedicado à sua chegada à SIC. Uma grande festa, que contou com a participação de inúmeros profissionais com quem mantém estreitos laços de amizade.

Seguiu-se, posteriormente, o tão falado regresso ao programa das manhãs. A 14 de março, e depois de duas semanas a promove-lo pelo país, Júlia Pinheiro estreou Querida Júlia e não mais parou.

Alguns dias depois, a 1 de maio começou o programa que marcou a sua estreia no horário nobre do canal e que acabou por torna-lo bastante competitivo. À frente de Peso Pesado, Júlia Pinheiro mostrou toda a sua versatilidade. Mas, por querer dedicar-se ao seu programa matinal a 100%, acabou por ceder o seu lugar a Bárbara Guimarães, na segunda série.

Paralelamente a estes formatos “fixos”, foi ainda uma das caras da gala dos Globos de Ouro, apresentando um dos prémios, e uma das concorrentes de uma das emissões de Chamar a Música.

As audiências do seu programa matinal ainda não atingiram o esperado e muitas vezes já o condenaram ao fim, mas Júlia Pinheiro tem-se mantido empenhada e, a avaliar pelos últimos números, já começa a mostrar a sua polivalência.

Para 2012, não há mais nenhum projecto conhecido, mas é certo que, à semelhança do que sempre aconteceu, a apresentadora não se queira ficar apenas pelo Querida Júlia, estando em cima da mesa a possibilidade de ser ela a apresentar um realit-show que a SIC deverá apostar na rentrée deste ano.

De destacar ainda a troca de palavras com Teresa Guilherme, aquando da escolha desta última para ocupar o seu lugar na condução de Casa dos Segredos 2, para a TVI.

Gabriela Sobral Júlia Pinheiro A Reportagem - Júlia Pinheiro Um Ano Depois Do Regresso À Sic

Doze meses, Doze declarações

 “Acredito que tudo o que existe, existe para ser desfeito. E, sobretudo, acho que não estou a voltar à mesma casa. Estou a voltar a um núcleo de grandes profissionais, que é hoje um negócio diferente, uma grande operação com vários canais. E eu venho num plano diferente, como diretora de conteúdos, com outros interlocutores à minha volta. A maior parte deles conheço como colegas de redação – conheci o Luís Marques como colega, é engraçado.” (Expresso)

“Vim-me embora (da TVI) porque numa estação líder há muito pouco para fazer. Estávamos na defensiva e não arriscávamos. Na SIC, há espaço para o crescimento e para explorar novos horizontes. Achei que o meu contributo aqui seria mais interessante e estimulante” (Diário de Notícias)

“(A SIC) É um canal mais preparado em muitos aspectos. Tem uma organização e uma estrutura de chefia diferentes e um director-geral muito presente e assertivo que sabe muito bem para onde quer ir. Ainda bem, porque gosto muito de estar junto de quem sabe para onde vai”. (TV Guia)

“Fiquei comovida quando ouvi os desabafos da Cristina e do Manuel, da Leonor, da Iva, do Pedro Granger… Por saber que os colegas sentem a minha falta, sinto-me babadíssima. Também sinto a falta deles. São relações muito próximas. Falamos e mandamos mensagens uns aos outros. A amizade vai eternizar-se” (TV 7 Dias)

“A SIC vai ser líder num instantinho” (Notícias TV)

“Tomei a decisão certa e na altura certa. Com a minha saída, a TVI descobriu uma outra forma de se organizar. Enquanto eu, o Bernardo Bairrão e o André Cerqueira fechámos um ciclo.” (Notícias TV)

“A SIC tem um potencial imenso. Estamos a fazer um trabalho que não tem ainda visibilidade, mas que proporcionou à estação a sustentação e solidez de que necessitava. O director-geral, Luís Marques, tem sido o homem-chave em todo este processo. Ele conseguiu dar tranquilidade e serenidade a uma estação que viveu alguns tumultos provocados por anteriores direcções”. (Notícias TV)

“Não contava era que a antena da SIC tivesse comportamentos ‘esquizofrénicos’, como um dia dar sinais de que as coisas estão a mudar e no dia seguinte está diferente. Ainda para mais, venho de uma televisão que não tinha assimetrias muito marcadas, era tudo muito contínuo e igual. A manhã também é o horário mais difícil, que exige uma forte componente de criação de laços”. (TV Guia)

 “A SIC está completamente madura, vai retomar a liderança e a nomeação para o Emmy de Laços de Sangue é uma vaidade” (Jornal de Notícias)

“Todos nós sabemos que o próximo ano será muito difícil, em matéria de captação de receitas, para conseguirmos concretizar o que temos na cabeça. Mas a SIC será cada vez mais uma estação intrinsecamente portuguesa e em 2012 são os nossos 20 anos de televisão privada… a primeira que existiu em Portugal, por isso será especial”, Júlia Pinheiro (TV 7 Dias)

“É verdade, já papei dois! Para onde vou o Emmy aparece… Este prémio é fantástico. Mostra a nossa maturidade enquanto profissionais! (Sapo TV)

“Estamos a crescer, a ganhar sustentabilidade e a conquistar espaço num cenário que tem dois clássicos, a Praça da Alegria e o Você na TV! Os resultados estão à vista, ou seja, já começo a ameaçar a concorrência”, começa por dizer, acrescentando que “Nós já estamos a morder os calcanhares à Praça da Alegria” (Notícias TV)

Receba todas as informações no seu smartphone.
Descarregue a App gratuita. Apple Store Download Google Play Download

1 Comentário

Clique aqui para comentar

ATV News