A Entrevista

A Entrevista – Ivo Lucas

Fotografia: Arlindo Camacho Imagem: David Ferreira

Ivo Lucas tem 28 anos mas desde cedo soube que seria no mundo da música que queria crescer. Contudo, a televisão «trocou-lhe as voltas» e o jovem estreou-se no pequeno ecrã há dez anos, na série Casos da Vida, ingressando mais tarde em Morangos com Açúcar. Desde logo, percebeu que queria ser presença contínua na televisão portuguesa e assim foi, contando já com uma década de carreira, algo inédito para um jovem da sua idade. Já participou em projetos televisivos dos três canais generalistas e acaba de lançar mais um singleBanco de Jardim. É sobre a sua carreira, na televisão e no mundo da música, que recai esta conversa.

Leia, em seguida, A Entrevista a Ivo Lucas.


Com dez anos de carreira na televisão nacional. Como é para um jovem crescer neste mundo? Foi fácil gerir toda a exposição que uma presença na televisão acarreta? Como era na escola?

É um processo bastante natural, estive sempre em contacto com o mundo artístico por outros familiares, logo acabei por também não sentir um grande abalo com a exposição. E na realidade desisti da escola para seguir os meus sonhos, portanto acabei por não sentir esse choque de entrar nas aulas com um trabalho em paralelo de muita exposição. Mas o que houve para gerir, foi muito natural e acompanhado pela minha família e amigos que me apoiaram sempre imenso.

Sempre soubeste que o teu futuro passava pela música? Como é que sabias disso e como é que isso se foi manifestando enquanto crescias?

Acho que sempre soube, sim. Desde muito novo que tenho contacto com a música. Desde os 5 anos que via a minha irmã cantar, e aos 8 comecei a ter aulas de piano. Ao longo dos anos fui estando em contacto cada vez mais constante com o mundo artístico da música, e quando acompanhava a minha irmã nos concertos sentia sempre a vontade de seguir os mesmos passos. A curiosidade de aprender mais instrumentos e perceber a comunicação pela música foi sempre crescendo e isso transmite-se agora.

De facto, há muitos jovens que sonham com o mundo da música. Que conselhos lhes darias?

O melhor conselho que posso dar, é trabalharem muito. Nunca ficar contente com o alcançado, e forçar sempre mais. A oportunidade e o «sim» só aparece após muitos «nãos». Nunca desistir e confiar no processo natural das coisas.

Ainda assim, tens sido presença contínua na televisão nacional, participando em séries como Morangos com Açúcar, Bem-Vindos a Beirais, entre outras. Como é que surgiram estas oportunidades?

Têm aparecido graças ao meu bom desempenho noutras produções. Trabalho sempre muito em cada projeto e tento sempre dar o meu melhor. Creio que isso nota-se e faz com que os profissionais do ramo da televisão confiem em mim nos seus projetos.

O que recordas, por exemplo, do período dos Morangos? Que papel é que a série teve na tua vida/carreira?

Foi onde tudo começou. Apesar de ter feito Casos da Vida primeiro, os Morangos foram o primeiro contacto com tudo o que vem da televisão. O reconhecimento, a exposição, o trabalho constante. E acabou por ter um enorme papel na minha vida e carreira. Foi onde aprendi as bases todas para o que sou hoje, onde conheci excelentes profissionais que me ensinaram muito, e onde me dei a conhecer a toda a gente. Devo muito à série juvenil.

Achas que a tua aposta na representação é benéfica para a tua carreira no mundo da música, ou não? Porquê?

Tem os dois lados. Ambas completam-se e é mais um meio de promoção do meu trabalho e do meu nome enquanto artista (tanto na música, como na representação). Por outro lado, só me faz ter que trabalhar o dobro para provar que sou capaz de fazer, cumprir, e surpreender nos dois ramos.

Como consegues conciliar a representação com a música? Já alguma vez tiveste de deixar alguma delas de lado?

Felizmente vou conseguindo conciliar. Às vezes dorme-se poucas horas, o desgaste é muito, mas quando se ama o que se faz não é difícil. No verão que é a altura de mais concertos o cansaço acumula-se, pois já me aconteceu estar em gravações o dia inteiro e ao final do dia entrar numa carrinha para ter uma atuação a 200km de distância. Mas repito sempre que necessário, sou um privilegiado por fazer o que mais gosto.

A verdade é que acabas por ganhar mais notoriedade junto do público. És muito abordado pelas pessoas na rua? O que te dizem? De que projetos te falam mais?

As pessoas reconhecem-me por vários projetos, e cada vez mais como «Ivo Lucas». Esse é o melhor reconhecimento, quando o nome é superior ao trabalho desempenhado. Significa que marcaste e as pessoas sabem quem tu és e o que fazes.

Recentemente integraste o elenco de Sim, Chef. Como correu este projeto? O que retiraste dele?

Foi dos melhores projetos que já tive o prazer de integrar. Uma equipa fantástica, um guião super interessante e desafiante, e o ambiente em plateau era incrível. Foi um projeto bastante irreverente em termos técnicos e não havia como não gostar do produto final. E o espírito de união entre todos foi algo que me marcou imenso e levo amigos para a vida.

Além disso, também fizeste uma participação na mais recente edição de A Tua Cara Não Me É Estranha, enquanto Cifrão, dos D’zrt. Como foi esta experiência?

Fiquei muito contente por poder participar. Já acompanhava o projeto desde o início e sempre tive a vontade de poder integrar um dos episódios. Diverti-me imenso, e creio que o público adorou o produto final.

Foi muito difícil cantar num estilo/registo diferente do teu?

Não, de todo. Esse é o desafio de um cantor e de um ator também. Sair da sua zona de conforto e explorar outras coisas. Ainda para mais foi uma música que cantei vezes sem conta na minha juventude.

Também fizeste uma participação na série Excursões AirLino. Como foi participar neste projeto? O que recordas?

Foi um projeto diferente de todos os outros mas a realidade é que foi bastante benéfico para mim. O elenco era mais velho, atores com muita experiência e sabedoria, onde pude aprender ainda mais. E claro, de destacar o facto de contracenar com o Rui Unas com quem me diverti imenso dentro e fora de plateau.

Tens agora estado mais focado na tua música. Podemos esperar um disco para breve? O que nos podes revelar? 

Ainda não estou a trabalhar com o propósito de “disco”, mas sim de singles. Passo a passo, um a um. Mas é uma sonoridade muito própria, com influências bastante óbvias do r&b oldschool e do pop.

Já tens concertos marcados?

Sim, felizmente já existem concertos marcados e estou bastante ansioso para ver a reação do público ao trabalho que foi criado em minha casa e que hoje conta com milhões de visualizações.

Tens estado a promover o single Banco de Jardim – nas várias rádios nacionais. Como tem estado a ser o feedback do público?

O primeiro single do mais recente projeto foi Amor Desleixado que conta com mais de 1 milhão e meio de visualizações no YouTube. O Banco De Jardim, que faz parte da promoção deste momento, tem tido um bom airplay nas principais rádios portuguesas e a aceitação tem sido muito positiva. É bom ver que as pessoas compreenderam a simplicidade da música!

A tua irmã, Diana Lucas, participou na última edição do The Voice Portugal. Como avalias a sua participação?

Foi bastante positiva, foi fazer o que melhor sabe fazer e como ninguém faz. Fiquei muito orgulhoso dela.

Podemos esperar algum dueto entre ambos neste novo trabalho?

É algo que não sei responder. As coisas surgem naturalmente, sem planear nada. Quem sabe o que surge nas horas de estúdio, mas não pensamos nisso.


Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

avatar
  Subscribe  
Notify of

Quem deve ser expulso?

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close