A Entrevista

A Entrevista – Cifrão | Online Dance Challenge

Assim que terminou a participação no Pequenos Gigantes da TVI, Cifrão partiu logo para outra «gigante» aventura, mas desta vez no Facebook. Sem medo de arriscar, lançou um concurso de dança inédito em Portugal, o Online Dance Challenge. O resultato não podia ter sido mais feliz: os concorrentes superaram as expetativas e deram motivação para Cifrão apostar numa segunda edição. O bailarino esteve à conversa com o A Televisão para falar sobre este e outros projetos.

Online Dance Challenge by Carmex. Um concurso inédito em Portugal…

Foi um verdadeiro sucesso. Tivemos mais 300% de inscrições daquilo que prevíamos. Isso mostra que os bailarinos, em Portugal, têm vontade de mostrar o seu trabalho.

A dança é bem tratada em Portugal?

A dança está a começar a ser bem tratada em Portugal, mas ainda estamos longe de um bailarino português encher o MEO Arena como figura central do espetáculo.

Modéstia à parte, sentes que és uma das principais referências da dança em Portugal?

Sinto que sou um profissional ligado à dança com visibilidade pública, e isso para mim é uma responsabilidade. Sinto que tenho o dever de fazer alguma coisa para elevar a dança para o patamar merecido.

Nos momentos menos bons, é a dança que te anima?

A dança permite-me extravasar sentimentos, permite dar asas aos meus momentos de loucura… Vai acompanhar-me para o resto da vida.

Houve uma situação anómala no passatempo. Foram detetados votos ilegais em alguns participantes. Ficaste aborrecido com essa situação?

Claro que sim, mas a solução arranjada foi indiscutível. Um júri com currículo e experiência inquestionável teve a decisão final. Todos ficaram satisfeitos com a solução, eu inclusive.

Convidaste Gustavo Oliveira, Alberto Rodrigues e Vasco Alves para jurados do concurso. Como é a tua relação com estes três profissionais?

São três bailarinos que admiro pelo nível de dança, pelas conquistas e pelas pessoas que são. São também figuras de proa nas suas áreas de dança. Foram escolhas óbvias para mim.

Como se desenrolou o processo de escolha do vencedor?

A escolha teve quase fases: a fase de inscrição, onde os bailarinos enviavam os vídeos; seguia-se a primeira fase, onde passavam à próxima fase dez vídeos selecionados pelos jurados; e os dez vídeos mais votados, passavam seis, mais seis e no final foi escolhida a vencedora.

O impacto do concurso junto do público foi muito interessante, não só na fase das candidaturas, como na primeira fase de votações. Estavas à espera desta boa receção?

Estávamos a prever uma boa participação, mas as inscrições e a reação do público superaram todas as expetativas.

Quais foram os grandes desafios ao integrares este projeto?

O verdadeiro objetivo foi dar uma oportunidade real aos bailarinos de mostrarem o seu trabalho, para além das suas fronteiras habituais, e de uma forma que consiga cativar uma larga audiência.

Venceu uma rapariga. Que qualidades destacas da Mafalda?

A Mafalda é uma força a ter em atenção nos próximos tempos. Foi ginasta rítmica da seleção nacional, o que lhe dá flexibilidade e ritmo, mas tem um feeling natural para a dança, que não é normal para uma rapariga com tão pouco tempo de aulas (menos de um ano). Sinto que a Mafalda vai dar que falar nos próximos anos.

Foi feito um excelente trabalho de promoção.

Sim, conseguimos divulgar o trabalho da Mafalda em vários meios, como o Curto Circuito, RFM e Você na TV!.

Terminado o concurso, consideras que a dança foi levada além das fronteiras habituais?

O objetivo era levar o trabalho dos bailarinos portugueses a um público que ainda não conhece o seu trabalho, e acredito que esse objetivo foi largamente atingido.

Já estás a pensar num segundo Online Dance Challenge?

Sim, já está alinhavado para o próximo ano voltarmos a lançar este desafio aos bailarinos.

Sentiste o apoio da imprensa na divulgação do concurso?

Senti, e acho que a imprensa tem um lugar especial no seu coração para a dança.

Este verão foste professor de dança no programa Pequenos Gigantes. Faz-me um balanço da aventura.

Foi uma experiência única trabalhar com miúdos tão novos mas já com um talento fora do normal. Foi bom ter participado no seu crescimento e poder ter criado as formas com que eles se apresentaram ao público.

Se tivesses o poder de escolher o próximo programa de domingo à noite na TVI, qual seria a tua decisão? Dança com as Estrelas, Pequenos Gigantes…?

[risos] Não sei como responder. Vivo intensamente estes dois programas.

O mundo artístico é muito competitivo. É preciso um grande «jogo de cintura» para se sobreviver nesta área. Como é que lidas com o lado negro da tua profissão?

Sou muito poupado. [risos]

Está completamente posta de lado a hipótese de vermos o Cifrão, o Edmundo e o Paulo Vintém a voltarem a pisar o mesmo palco em modo D’ZRT? Quem sabe numa homenagem ao Angélico…

De momento não penso nisso.

Não sentes «borboletas» na barriga quando recordas os bons tempos dos Morangos com Açúcar e pensas «Bolas, o tempo não volta atrás»?

Revejo os velhos tempos com saudade, mas não quero voltar atrás. Olho para o futuro com muita vontade.

Ainda te chamam Zé Milho na rua?

Sim, os Morangos estão a repetir em vários canais, logo o Zé Milho ainda está presente. É bom sinal.

Achas que faz falta uma série juvenil na grelha da TVI?

Sem dúvida alguma, sou o maior apoiante de uma série juvenil fazer parte da grelha da TVI.

Onde é que te podemos encontrar nos próximos tempos?

Para já é segredo…

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Cifrão apresenta nova promessa da dançaMarta Clemente Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marta Clemente
Visitante
Marta Clemente

Sempre os mesmos “cromos” em todas as áreas. O país já é pequeno, e assim torna-se minúsculo.

trackback

[…] A Entrevista – Cifrão: «A dança está a começar a ser bem tratada em Portugal» […]

ATV News