fbpx
Geral Big Brother Famosos TVI

Psiquiatra arrasa Toy após comentários sobre depressão: “Inacreditável”

Psiquiatra Gustavo Jesus, Toy
Imagens: Instagram

Toy foi autor de polémicos comentários sobre a depressão.

Toy esteve no ‘Extra’ do ‘Big Brother’, na passada terça-feira, e não foi feliz numa série de comentários que fez sobre a depressão. Disse que as doenças mentais são “doenças jovens” e mostrou-se desagradado com o uso de químicos para as tratar. “É extremamente inacreditável que a cannabis seja proibida e que os antidepressivos, super agressivos, sejam autorizados“, atirou.

É uma vergonha que a cannabis seja proibida, que é uma forma de nós podermos libertar a nossa ansiedade“, acrescentou ainda o conhecido artista.

Tais declarações chocaram Gustavo Jesus, psiquiatra no Centro Hospitalar e Universitário Lisboa Central. Para ele, foi “extremamente inacreditável” aquilo que foi dito por Toy.

Leia aqui o texto de Gustavo Jesus:

Extremamente inacreditável! Um programa de grande visibilidade, como é o caso do ‘Big Brother’, deve servir também para «passar mensagens importantes à sociedade». É precisamente isso que o Toy diz neste vídeo, extraído de uma emissão de ontem [terça-feira].

Infelizmente, apesar de sempre ter tido a minha simpatia e de merecer a homenagem de todos os que já cantaram e dançaram toda a noite, toda a noite, ao som da sua música, o Toy não escolheu as mensagens certas.

Ao contrário do que diz:

– a depressão não é uma doença nova; sempre existiu e é descrita nos mais antigos manuais da medicina, muito antes de existirem medicamentos para a tratar;

– as pessoas não têm depressão por falta de outros problemas em que pensar, como a falta de dinheiro ou de comida. A depressão é uma doença do cérebro que resulta de fatores biológicos e ambientais (que incluem, aliás, os socioeconómicos, como a pobreza). Aqueles que reúnem um conjunto maior de fatores de risco têm mais probabilidade de desenvolver a doença;

– os antidepressivos não são «super agressivos», são hoje em dia medicamentos seguros, eficazes e com poucos efeitos adversos, e além disso salvam vidas. Por isso, afirmações como esta são de grande irresponsabilidade, porque podem influenciar quem as ouve no sentido de abandonar o tratamento ou de recusar iniciá-lo (isto partindo do pressuposto de que já ultrapassaram o estigma para ir ao psiquiatra).

O Toy finaliza dizendo que estes problemas (referindo-se à depressão) existem. Lá nisso acertou. Mas diz também que «é preciso ter muito cuidado com os químicos», não se lembrando certamente de que todas as substâncias que têm algum efeito sobre o cérebro são ‘químicos’.

Isso inclui as moléculas ativas da cannabis, da qual falou como possível tratamento, o que é absurdo à luz da evidência que existe. Não confundir efeitos psicoativos imediatos de uma substância com o tratamento de uma doença. Portanto, e não excluindo a óbvia importância dos tratamentos psicoterapêuticos, está na altura de arranjar outro argumento para falar mal dos antidepressivos. Porque esses ‘químicos’ salvam vidas.

E essa foi a razão pela qual foi tão preocupante ouvir o Toy. Aliás, mais do que preocupante, foi extremamente inacreditável“.

Leia também: Fernanda Serrano recorda momento que “mudou a sua vida”

Receba todas as informações no seu smartphone.
Descarregue a App gratuita. Apple Store Download Google Play Download

ATV News