Famosos

Ricardo Carriço conta tudo sobre o seu passado ligado ao consumo de droga

A Verdade de Cada Um é a biografia de Ricardo Carriço, que acaba de ser lançada. Aos 54 anos, o ator faz relatos de problemas que viveu ao longo da sua vida. «A separação foi um dos piores dias da minha vida. Numa área de serviço, vi a capa de uma revista sensacionalista a dizer “Ricardo Carriço e Inês Jordão separados.” Baixei a cabeça, dirigi-me à caixa, paguei e saí. Estávamos casados há um ano e tínhamo-nos acabado de separar. Mas isso é a intimidade de um casal. Não sabia lidar com a exposição. Era uma espécie de alucinação interminável. Estava verdadeiramente desorientado, como se me estivesse a fugir o chão. O sentimento de devassa que me abalroou quando vi aquela capa fez-me perceber que tinha de sair de circulação por algum tempo», conta o ator à revista TV Guia.

A sua amiga e atriz, Ana Brito e Cunha, ajudou o ator nesta fase. «Depois da separação, entrei na fase sex, drugs and rock n’roll, como acontece com muita gente que passa por um divórcio», confidencia o ator, revelando que a situação começou a piorar. «De volta a Lisboa, um ano depois, perdi o controlo. Fui perdendo o travão. Bebia-se um copo e a seguir “cheirava-se”. Quando dei por mim estava a consumir 5 gramas de cocaína por semana. Não podia ser. Senti que tinha de acabar com aquela merda, que aquele não era o caminho», afirma, explicando que se não tivesse ajuda «iria acabar numa instituição».

Já nos anos 80, o ator temeu pela vida, quando se espalhou o pânico da SIDA. «O medo, de repente, apanhou-nos a todos. A mim também. Os mais insuspeitos acabaram por ser apanhados pelo vírus, e quase todos os meses tínhamos que reformular teorias. Além do medo, as pessoas tinham vergonha».