Famosos TVI

Neto de Moura vai processar Ricardo Araújo Pereira e Bruno Nogueira

Já são conhecidos os nomes das personalidades que serão processadas por Neto de Moura, o polémico juiz-desembargador, que terá utilizado expressões polémicas sobre mulheres vítimas de violência doméstica. São nove os nomes que constam na lista do juíz e que lhe poderão valer milhares de euros. 

Ricardo Araújo Pereira, Bruno Nogueira, Diogo Batáguas e João Quadros serão os humoristas a ser processados, Catarina Martins e Mariana Mortágua, do Bloco de Esquerda, são as responsáveis políticas da lista; e são ainda visados a jornalista Fernanda Câncio (Diário de Notícias) e os comentadores da CMTV Joana Amaral Dias e Manuel Rodrigues.

Ainda que as peças estejam prontas e já se conheçam os nomes que fazem parte da lista a ser processado, os processos só deverão avançar até ao final do ano. “Quem diz o que quer ouve o que não quer”, defendeu o advogado do juiz, Ricardo Serrano Vieira, em declarações à Visão.

4
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Toma lá distoAndré Filipe Mourato SoaresEu é que seiAntónio Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
António
Visitante
António

Às vezes é preciso que este pessoal da crítica tenha um bocadinho de tento na língua….

Eu é que sei
Visitante
Eu é que sei

É verdade… Devia era voltar a haver censura… Assim acabava-se logo o forróbodó!
Era isso e as gajas a levarem na tromba sem bufarem…
Ahhh a época dos bons costumes neandertais…!
Que saudades…

VIVA O NETO DE MOURA! VIVA SALAZAR!

#netodemouraécorno

Toma lá disto
Visitante
Toma lá disto

Olha, olha… O sr. António também deve de gostar de molhar na sopa! Felizmente ainda temos liberdade de expressão, e quem se faça ouvir!
#netodemouraécorno

André Filipe Mourato Soares
Visitante
André Filipe Mourato Soares

Quero ver se esse tal juiz “sobrevive” a mais uma mediatização se forem considerados culpados.
“No direito português, não existe aquilo a que costuma chamar‑se «delito de opinião». A importância atribuída à liberdade de expressão é tão elevada, que nem sequer é proibido criticar ou contestar outros valores ou princípios consagrados na Constituição da República Portuguesa. “

ATV News