fbpx
Famosos Geral

Me Too em Portugal! Isabel Moreira pede cuidado com as falsas acusações

Isabel Moreira, Me Too
Instagram

Isabel Moreira partilhou um longo texto que intitulou “Quem não deve não teme? E o estado de direito?”.

A deputada Isabel Moreira, do PS, fez uma reflexão acerca do crescente número de acusações de assédio sexual em Portugal. “Entusiasta” do movimento Me Too, como se auto caracterizou, a também escritora, advogada, constitucionalista, cronista e ativista sublinhou, no entanto, que é necessário ter cuidado com as falsas acusações.

Lamento, mas isto é insuportável num estado de direito. Uma pessoa com apego ao estado de direito não pode ter por ‘mal menor’ ou ‘mal necessário’ haver um ou outro homem inocente acusado e vilipendiado. Porque se não deve, não teme. Eu temo. E muito“, escreveu Isabel Moreira na rede social Instagram.

Leia aqui o texto assinado por Isabel Moreira:

QUEM NÃO DEVE NÃO TEME? E O ESTADO DE DIREITO?

Sou uma entusiasta do movimento #metoo nos exatos termos em que nomeadamente amanhã explicarei em artigo no Expresso. Aliás, a única vantagem do movimento chegar tão tarde a Portugal é podermos evitar alguns erros que inevitavelmente aconteceram noutras paragens.

Dito isto, tenho lido por aí, a propósito da enorme importância de acreditarmos mais nas mulheres (de acordo), que quem não deve não teme. As falsas queixas, nomeadamente de violência doméstica, são poucas, pelo que a ideia é esta: o importante é falar – se à vontade e se pelo meio existirem homens inocentes acusados na praça pública, pois paciência, é um pequeno preço a pagar para reparar tanta injustiça histórica, e esses homens, claro, nada devendo, nada têm a temer.

Lamento, mas isto é insuportável num estado de direito. Uma pessoa com apego ao estado de direito não pode ter por ‘mal menor’ ou ‘mal necessário’ haver um ou outro homem inocente acusado e vilipendiado. Porque se não deve, não teme. Eu temo. E muito.

Sei até hoje, por observação de terceiros, da ‘sentença’ eterna que carrega quem é acusado falsamente. Ainda que não se prove o que quer que seja, essa pessoa fica até ao fim dos seus dias a saber que há na cidade aquela pergunta monstruosa: «será que não fez aquilo?». A dúvida de carácter instala-se e corrói o falso acusado de formas tão violentas que viver de forma sã passa a ser, muitas vezes, impossível.

Quem não deve, teme, sim. E tem razão para temer pelo seu bom nome, pela sua paz, pela sua privacidade, pela sua saúde. É por isso que eu, uma defensora intransigente da voz das mulheres nestes tempos #metoo, peço apenas que não nos esqueçamos do estado de direito. Não é indiferente que uns quantos inocentes tenham de se defender pelo caminho. Não, não é indiferente.” (Isabel Moreira)

Leia também: Marco Paulo reage a parceria com a SIC: “Finalmente vim ter a esta casa…”

Receba todas as informações no seu smartphone.
Descarregue a App gratuita. Apple Store Download Google Play Download

ATV News