fbpx
Famosos

Manuela Moura Guedes: “As pessoas quando querem ajudar o próximo fazem-no sem os holofotes”

Manuela Moura Guedes, Dia De Cristina, Tvi
Instagram

Cristina Ferreira conduziu esta terça-feira, 15 de dezembro, o último ‘Dia de Cristina’. Manuela Moura Guedes foi uma das convidadas especiais do programa.

Manuela Moura Guedes recordou a sua passagem pela televisão e deixou uma reflexão aos espectadores.

“Não gosto daquele género de pessoas que se fazem: ‘sou tão boazinha’. Não se faz publicamente. As pessoas quando querem ajudar o próximo fazem-no sem os holofotes. Este género é muito enjoativo“, defendeu a comunicadora.

Quanto a um possível regresso à televisão, Manuela Moura Guedes deu uma resposta decisiva e acabou por satisfazer a curiosidade dos seguidores do seu trabalho.

Já fiz de tudo o que havia para fazer. Agora, da maneira como se gere este meio tão poderoso, especialmente a informação, o que se há de fazer… Tive algumas experiências más“, atirou a mulher de José Eduardo Moniz, afirmação que demostrou que um regresso à televisão não está nos seus planos.

Manuela Moura Guedes homenageada no ‘Dia de Cristina’

Durante a sua passagem pelo ‘Dia de Cristina’, Manuela Moura Guedes foi homenageada por amigos e colegas.

A filha da comunicadora, Madalena, de 25, deixou um breve testemunho: “Queria mandar-lhe um beijinho meu, do Zé Maria e do Francisco [os outros filhos de Manuela Moura Guedes], que não puderam fazer este vídeo, mas queriam muito. Gostamos muito de si”.

De seguida, a jornalista foi homenageada por Manuel Luís Goucha. “A Manuela… Assertiva, inteligente, informada, culta, que pensa pela própria cabeça… não manda dizer por quem quer que seja. Ela marca a história da televisão em Portugal e, muito particularmente, a história do jornalismo. É das mulheres de quem mais gosto“, afirmou o apresentador.

Em conversa com Cristina Ferreira, Manuela Moura Guedes falou também sobre a vida pessoal e profissional e abordou as inimizades que foi criando ao longo do seu percurso.

Eu sempre criei inimizades. Aliás, desde pequena. É uma coisa estranhíssima e gostava de saber por que motivo é que isso acontece. Às vezes, pergunto-me. As minhas amigas dizem-me que eu atemorizo um bocadinho e que intimido. E eu não percebo porquê. Mesmo em criança… E, pronto, há de ser sempre assim“, começou por dizer.

Lembro-me de que, quando estava na RTP, se fazia estudos sobre quem as pessoas gostavam ou não gostavam e a quem eram indiferentes. E eu recordo-me de que era a única pessoa de quem os espetadores não gostavam ou gostavam muito. Era a única a que ninguém ficava indiferente“, acrescentou.

Leia também: Big Brother! Ex-concorrentes vão entrar na casa como infiltrados

Receba todas as informações no seu smartphone.
Descarregue a App gratuita. Apple Store Download Google Play Download

ATV News