Cabo Famosos Globo Música

Leaving Neverland: O documentário polémico sobre as vítimas de Michael Jackson

A HBO estreou o documentário Leaving Neverland no passado dia 4 de março, mas só no passado dia 8 foi disponibilizado o documentário em Portugal.

São mais de quatro horas – divididas em duas partes – que contam a história de duas alegadas vítimas de abusos sexuais por parte de Michael Jackson.

A história não traz consigo grandes novidades no que toca às acusações, o cantor foi acusado de pedofilia duas vezes na década de 90 e no início do século XXI. A novidade que o documentário traz é o nível de pormenor e detalhe que é fornecedido sobre as histórias de James Safechuck e Wade Robson, os protagonistas deste documentário que viveram durante vários anos com Michael Jackson no seu rancho quase inacessível – Neverland (ilha imaginária do conto de Peter Pan onde as crianças não crescem e não se transformam em adultos), que se apresentava como uma verdadeira Disneylândia.

Ao longo do documentário um deles chega a dizer sobre o rancho que “Todas as noites foram um conto de fadas” (tradução livre de: It was a fairy tale every night), tendo cada um acompanhado do Rei da Pop nas suas digressões. Ambos garantem que não foram os únicos meninos com quem Michael Jackson se envolveu.

O documentário conta a história do australiado Wade Robson, com quem alegadamente Michael Jackson se envolveu durante sete anos (desde 1987), tendo começado o relacionamento sexual quando Wade tinha apenas 7 anos de idade.

Jimmy Safechuck é também outra das vítimas visadas no documentário, sendo que o norte-americano afirma que se relacionou com o cantor quando tinha entre 10 e 14 anos de idade.

Os protagonistas do documentário Leaving Neverland eram já conhecidos e defenderam, inclusivamente, o cantor num processo que chegou às barras do tribunal norte-americano em 2005 sobre casos de pedofilia a que Michael Jackson tinha sido associado. As declarações feitas pelos mesmos em sede de tribunal, a julgar pelo agora revelado, foram uma mentira combinada com Michael Jackson e a equipa de advogados que o defendia.

O documentário realizado por Dan Reed conta a história de um músico pedófilo que se aproveita do facto de ser mundialmente conhecido para abusar repitadamente de menores que procuravam os seus 5 minutos de fama.

Intitulado Leaving Neverland (sair de Nerverland), o filme é contestado pela família do músico que garante que a obra se baseia em mentiras que visam manchar a imagem consolidada do Rei da Pop. A família, através dos seus assessores condena a exibição do documentário e a forma como o mesmo está a ser explorado pelos órgãos de comunicação social. “As pessoas sempre gostaram de perseguir Michael. Ele era um alvo fácil, era único. Mas Michael foi sujeito a uma investigação aprofundada, que incluiu uma incursão supresa à Neverland e outras propriedades com o júri em tribunal a considerar o Michael completamente inocente. Nunca houve prova de nada. Mesmo assim, os media adoram acreditar nessas mentiras”, pode ler-se na nota da família sobre o documentário.

A família acrescenta também que “Não podemos ficar parados enquanto esse linchamento público continua e os abutres do Twitter e outros, que nunca o conheceram, vão atrás dele. O Michael não está aqui para se defender, senão essas alegações não teriam sido feitas”.

O realizador do documentário, Dan Reed, disse em janeiro – durante a apresentação do mesmo -, que o documentário “Não é sobre Michael Jackson, mas sobre abusos sexuais e sobre a forma como acontecem e que consequências podem ter passados alguns anos”.

Certo é que as reações ao documentário não se fizeram esperar e por todo mundo já foi suspensa a reprodução, em algumas rádios, dos temas de Michael Jackson, a estátua de Michael Jackson no Museu Nacional do Futebol (Manchester) também já foi retirada e muitas figuras públicas vieram reprovar o comportamento do malogrado cantor.

Em Portugal, Jessica Athayde, por exemplo, foi das primeiras figuras públicas a assistir ao documentário e a repudiar o comportamento do músico, sublinhando – através de uma Instastory – que nunca mais conseguirá ouvir músicas de Michael Jackson.

 

ATV News