fbpx

Francisco Moita Flores descreve os últimos minutos antes do enfarte

Duarte Costa
2 min leitura
Instagram

Francisco Moita Flores esteve no programa Dois às 10 desta terça-feira, na TVI, e recordou o enfarte agudo do miocárdio que sofreu em setembro de 2022, quando dava autógrafos na Feira do Livro de Lisboa. Garantiu que colocou um ponto final nos “40 cigarros” que fumava diariamente e que adotou uma alimentação mais saudável.

Estou a celebrar o primeiro ano da minha segunda vida“, assumiu o antigo inspetor da Polícia Judiciária perante a dupla de apresentadores constituída por Cláudio Ramos e por Maria Botelho Moniz.

O escritor, de 70 anos, admitiu ainda que a sua sobrevivência foi “uma dádida divina“, dado que “o número de sobreviventes não chega aos 10%” quando este tipo de situações ocorrem na rua.

Francisco Moita Flores descreveu também como é que foram os últimos momentos antes do episódio que poderia ter sido fatal.

Estava bem-disposto. Ia para uma sessão de autógrafos, comi um brunhol [fartura]. Recordo-me de dar um beijo à minha editora e não me recordo de mais nada“, contou.

De lembrar que Francisco Moita Flores lançou o livro “Um Enfarte no Alto do Parque”, um testemunho na primeira pessoa sobre uma paragem cardíaca e como prevenir uma «morte súbita». AQUI.

Leia também: Francisco Moita Flores: “Eu fumava 40 cigarros por dia, que é de facto muito estúpido”