fbpx

Catarina Avelar recorda altura em que foi “descartada”: “Fiquei muito deitada abaixo”

Ana Ramos
2 min leitura
Reprodução TVI

Catarina Avelar, que interpreta Dona Glória em “Festa é Festa”, na TVI, recordou a altura em que foi “descartada” do Teatro D. Maria II, em Lisboa.

A atriz esteve 32 anos neste teatro e, quando saiu pela primeira vez, sentiu-se “descartada”, segundo revelou à revista TV Guia. “Aconteceu uma situação, com alguém que bajulava a senhora dona Amélia Rey Colaço, e depois foi a maneira como ela me descartou. Escreveu-me uma carta, não teve a coragem de me chamar, que dizia: ‘Não quero que vejas nesta minha atitude uma falta de apreço pelo teu trabalho. É, precisamente por saber o teu valor, que, como neste momento não tenho trabalho para ti, não te quero prender’”, começou por contar.

“Fiquei muito deitada abaixo nessa altura. Andei por aí”, confessou Catarina Avelar, que esteve “um ano na companhia que foi para a Estufa Fria”. “A seguir, fui para o Vasco Morgado e depois fundou-se uma cooperativa no Teatro Maria Matos, a seguir ao 25 de Abril, com o Armando Cortez, a Fernanda Borsatti, eu, o António Anjos e o Carlos Daniel”, continuou.

“Entretanto, entrou uma colega, que já morreu, coitada, que ganhava substancialmente mais do que todos nós. Perguntei ao Armando por que é que a fulana ganhava mais e ele respondeu: ‘Tens de compreender, ela é boazona e chama homens ao teatro. E tu não’. Foi assim, na minha cara”, recordou, referindo-se a Hermínia Tojal.

“O Armando achava que ela era boazona. Enfim”, comentou.

Catarina Avelar, de 84 anos, já conta com mais de 60 anos de carreira, do teatro à televisão, tendo participado, por exemplo, em “Jardins Proibidos” e “Morangos com Açúcar”, na TVI.

Relacionado: