fbpx
Famosos

António Raminhos faz relato impressionante: “Naquele momento morri”

Antonio Raminhos

António Raminhos partilhou, este domingo, 6 de setembro, uma publicação impressionante na sua página de Instagram, onde acaba também por fazer um desabafo com os fãs.

“Sexta foi provavelmente um dos dias mais tristes da minha vida em relação a ansiedade e ao transtorno obsessivo compulsivo. Fiquei frente a frente a um dos meus maiores medos, dos meus maiores “e ses”. Que me acompanha há mais tempo”, começou por referir.

O comediante continuou a sua descrição: “Não interessa o que foi, porque qualquer que seja a “fonte”, o resultado é o mesmo. A minha mulher, que me viu, diz que não parecia eu. Estava assustado, desorientado. Naquele momento morri. Estava condenado à morte e sem futuro. Sem saber o que fazer. E ainda estou, muito. Já levo muitos anos nisto e muito trabalho, mas às vezes é como remar com calma e perseverança, e, de repente, vem um tsunami. E isso magoa”, continuou.

Sinto-me triste, revoltado, abandonado, incompreendido e vazio. Os amigos podem dizer que não há problema que a questão até pode ser real, mas está a ser exagerada e o que penso é “o que sabes tu do que vai na minha cabeça?”, questionou.

Raminhos confessa que gosta de ajudar os outros. “Depois surgem as cobranças: “Eu que gosto de ajudar os outros (porque gosto não estou à espera de recompensa), que luto para conseguir os meus projectos, que tive uma infância que não ajudou muito, e que por isso procuro dedicar tempo à família, que medita, que quer conhecer-se melhor e depois leva com estas balas?! Onde está a recompensa? Onde está o trabalho feito? Onde está o colo do Universo?”, perguntou.

“E baixei os braços e fiquei triste e revoltado comigo, com Deus, com a minha história que me trouxe aqui. Ainda estou. E não me importo. Que mesmo em baixo, a minha primeira preocupação foi não sofrer em silêncio. Foi pedir ajuda ao meu terapeuta, e ao meu psiquiatra porque claramente preciso de um apoio”, continuou.

“Um apoio para eu poder trabalhar-me melhor! Não para me fazer esquecer ou manter-me funcional apenas. Apoio para eu descobrir-me com mais calma. E porque sei que a maravilha da vida é esta: Cada dia é uma hipótese de respirar fundo… E por isso, por muito que me apetecesse estar fechado e isolado ou internado para que tomassem conta de mim… resolvi ir passear no fim-de-semana”, complementou.

O humorista deixou ainda um apelo aos fãs: “Prestem atenção. Escrevo este post, não para me darem palmadinhas nas costas ou dizer “força” ou “com essa família podias ter tudo bem, não penses nisso!”, até porque as coisas não funcionam assim. Nem são assim”, atirou.

“Escrevi este post para que não se fechem nos vossos medos. Para que compreendam que há dores que só nós conhecemos, mas que podem ser partilhadas por muitos nas suas mais variadas formas e feitios”, continuou.

António Raminhos incentivou os fãs a procurarem ajuda quando fosse necessário. “Estou a escrever este post para que procurem ajuda sem medos nem vergonhas. Isto é simples, se têm um pneu furado, quanto mais tempo andarem assim piores são os estragos. Há que pedir quem vos ajude a mudar o pneu até que vocês o saibam fazer sozinhos, mesmo que demore mais tempo. Quando vocês procuram essa ajuda, entendem uma coisa: Todos somos estranhos até perceber que isso é normal”, concluiu.

Leia também: António Raminhos revela um dos episódios mais dramáticos que já teve

Ora veja:

View this post on Instagram

Sexta foi provavelmente um dos dias mais tristes da minha vida em relação a ansiedade e ao transtorno obsessivo compulsivo. Fiquei frente a frente a um dos meus maiores medos, dos meus maiores “e ses”. Que me acompanha há mais tempo. Não interessa o que foi, porque qualquer que seja a “fonte”, o resultado é o mesmo. A minha mulher, que me viu, diz que não parecia eu. Estava assustado, desorientado. Naquele momento morri. Estava condenado à morte e sem futuro. Sem saber o que fazer. E ainda estou, muito. Já levo muitos anos nisto e muito trabalho, mas às vezes é como remar com calma e perseverança, e, de repente, vem um tsunami. E isso magoa. Sinto-me triste, revoltado, abandonado, incompreendido e vazio. Os amigos podem dizer que não há problema que a questão até pode ser real, mas está a ser exagerada e o que penso é “o que sabes tu do que vai na minha cabeça?" Depois surgem as cobranças: “Eu que gosto de ajudar os outros (porque gosto não estou à espera de recompensa), que luto para conseguir os meus projectos, que tive uma infância que não ajudou muito, e que por isso procuro dedicar tempo à família, que medita, que quer conhecer-se melhor e depois leva com estas balas?! Onde está a recompensa? Onde está o trabalho feito? Onde está o colo do Universo? E baixei os braços e fiquei triste e revoltado comigo, com Deus, com a minha história que me trouxe aqui. Ainda estou. E não me importo. Que mesmo em baixo, a minha primeira preocupação foi não sofrer em silêncio. Foi pedir ajuda ao meu terapeuta, e ao meu psiquiatra porque claramente preciso de um apoio. Um apoio para eu poder trabalhar-me melhor! Não para me fazer esquecer ou manter-me funcional apenas. Apoio para eu descobrir-me com mais calma. E porque sei que a maravilha da vida é esta: Cada dia é uma hipótese de respirar fundo… E por isso, por muito que me apetecesse estar fechado e isolado ou internado para que tomassem conta de mim… resolvi ir passear no fim-de-semana. Prestem atenção.Escrevo este post, não para me darem palmadinhas nas costas ou dizer “força” ou “com essa família podias ter tudo bem, não penses nisso!”, até porque as coisas não funcionam assim. Nem são assim. (Continua nos comentários)

A post shared by António Raminhos (@raminhoseffect) on

Receba todas as informações no seu smartphone.
Descarregue a App gratuita. Apple Store Download Google Play Download
Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Susana
Susana
23 dias atrás

O tamanho do que somos, vê-se na forma como lidamos com as coisas. Não quando as escondemos, mas fazemos extremamente isto. Partilhar o que somos, sem receio do que possam dizer ou pensar.
E também somos feitos de medos, de ansiedades e qual é o problema?! Conhermo – nos implica aceitarmos nos como somos. Assim mesmo. E devagar muito devagar aprender a lidar com isto…

ATV News