TVI

TVI alvo de críticas pela ERC


A divulgação de fotografias e vídeos de um homícidio em Oliveira do Bairro, no passado mês de Fevereiro provocou um “puxão de orelhas” por parte da Entidade Reguladora para a Comunicação social à televisão de Queluz de Baixo, bem como ao jornal Correio da Manhã, avança o Diário de Notícias.

As imagens do avô com a neta ao colo a matar o genro, num parque público em Oliveira do Bairro, ficaram na memória de quem teve acesso ao Correio da Manhã desse dia, em papel e Internet e de quem viu o vídeo na TVI. Por tudo isto, a ERC decidiu instaurar um processo contra-ordenacional aos dois meios de comunicação social, reprovando veemente a conduta de ambos.

O Conselho Regulador da ERC deliberou considerar que a estação de Queluz de Baixo violou, de modo particularmente criticável, os limites à liberdade de programação, que segundo a Lei de Televisão, só deve ceder em situações muito contadas e de gravidade indesmentível”, determinando, em consequência, a instauração do referido processo, considerando ainda que “o momento da morte constitui uma das circunstâncias mais privadas experienciadas por qualquer ser humano”.

Em relação ao Correio da Manhã, o Conselho Regulador “entende que a exibição do video na edição electrónica do jornal e a publicação das imagens na edição impressa não são justificadas por interesse público noticioso, tendo antes consistido na exploração de um acontecimento dramático, violento, chocante, com a finalidade de impressionar os leitores/ espectadores”, reprovando “veementemente a actuação do Correio da Manhã e recomenda-lhe o escrupuloso cumprimento das normas ético-legais da prática jornalística, que impõe desde logo, o dever de respeitar a dignidade humana e a intimidade dos cidadãos, nomeadamente das vítimas de crimes, bem como o dever de rejeitar o sensacionalismo”.

No mesmo comunicado pode ler-se ainda que “por esse motivo, os órgãos de comunicação social devem preservar do olhar público o acto de morrer – ou acto de ser morto – salvo se houver um imperativo que imponha o conhecimento de tais imagens, o que não era o caso”. Para a Entidade Reguladora para a Comunicação Social “seria possível narrar o acontecimento sem exibir o vídeo”.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close