TVI

Sérgio Vicente acusa José Castelo Branco


Depois de Vera Ferreira é a vez de Sérgio Vicente não poupar nas críticas ao colega de tribo durante 21 dias. Em entrevista à Nova Gente desta semana, o ex-Big Brother contou os motivos pelos quais chegou bastante irritado da aventura pela Namíbia:

“Não foi fácil conviver com o José Castelo Branco. Ele é muito mau-carácter”, começa por dizer o concorrente, acrescentando de seguida: “Sempre pensei que aquilo fosse uma personagem que ele tivesse criado para aparecer na televisão e, quando as câmaras se desligassem, ele fosse uma pessoa normal. Mas não, ele é mesmo assim. É intragável! Sinceramente, não sei como é que as pessoas o aguentam. Percebo que lhe achem graça, porque não é minimamente engraçado, principalmente para quem convive com ele durante tanto tempo”, acusa.

Sérgio Vicente vai ainda mais longe e conta algumas situações que revelam quem é o “conde”: “Ele é de um egoísmo como nunca vi. Houve dias em que roubámos comida à produção, como bolachas e maçãs, e dividíamos entre os quatro. Ele roubava cinco ou seis maçãs e comia-as todas seguidas! Não dava nada a ninguém”, declara.

Na mesma entrevista, o companheiro de Verónica Silva conta ainda os diferentes tratamentos dos concorrentes: “Isto é como as equipas de futebol. Eu percebo que nem todos ganhem o mesmo, mas, quando os jogadores vão para competições, as condições são iguais para todos”, desabafa, acrescentando: “Ao contrário do que nos tinham dito, nós só tivemos direito a um telefonema para casa. O Zé teve três. E enquanto eu, a Marta e a Vera tínhamos a nossa roupa dentro de cabanas que metiam água por todo o lado, as malas do Zé estavam no acampamento da produção que, todas as manhãs, lhe deixava um cabide com o modelito para aquele dia”.

A terminar, Sérgio adiantou que não ficou amigo de José Castelo Branco: “O Zé usa as pessoas. Fala muito daquele miúdo, o Assesseta, e diz que o quer trazer para cá. Só se for para ser criado dele, porque era assim que o tratava na tribo. O Zé estava sentado, tinha a mala da maquilhagem a dois metros e chamava o miúdo, que estava a 20, para a ir buscar. Isto não é normal”, concluiu.

  • Agente V

    Tinha tanta esperança que assassem este ou esta Castelo Branco na tribo, dentro de um caldeirão. Que inutilidade de criatura.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close