TVI

Polémica no final de “Dizem Elas e Ele”

Dizem Elas e Ele

Anunciado na passada semana, o término da rubrica do Você na TV! promete ainda dar muito do que falar. É em declarações à TV 7 Dias desta semana que os comentadores se acusam e trocam picardias, depois de vários anos juntos a comentar o que se escrevia na imprensa.

“Na terça-feira chamaram-nos aos três, individualmente, ao gabinete do Luís Cunha Velho, que é o único que eu conheço, mas não era ele que lá estava, e a Rita disse: ‘Lili, não estou a chamá-la pelas melhores razões, mas sim porque devido à contenção de despesas a vossa rubrica fica só até ao fim do ano’. Por isso, eu vim embora”, começa por dizer Lili Caneças.

Já Manuel Luís Goucha defende o “Dizem Elas e Ele” era uma das rubricas mais faladas entre os telespetadores, tanto que “os comentários no Facebook mostram que a maior parte das pessoas era capaz de não gostar da rubrica… mas viam-na. A rubrica era para comentar as revistas, era uma brincadeira. O programa não tem rubricas fixas. E este final pode ter a ver com conteção de custos. As coisas são mesmo assim, terminam umas e começam outras”, explicou.

Apesar de tudo, Lili fez questão de deixar claro que o objetivo inicial deste espaço não era comentar as revistas cor-de-rosa: “Nunca foi essa a proposta, senão nem teria aceite, porque era uma coisa que não me interessava. Não tenho preconceito nenhum, até porque acho que se pode falar de tudo com dignidade. Foi-me apresentado que falaríamos de temas polémicos, da Visão e do Expresso. E a rubrica acabou por levar um caminho diferente”.

E o que diz a socialite sobre a sua relação com a colega Cinha Jardim: “Nunca fui amiga da Cinha, era uma pessoa que eu conhecia só de dizer olá”, começa por dizer, explicando em seguida sobre as picardias que existiam entre as duas: “Não era eu, de certeza. Aliás, num dos últimos programas, o Manuel até leu que uma pessoa estava a perguntar por que é que a Cinha era tão agressiva com a Lili. ‘Por que é que ela é sempre tão desagradável com a Lili, será por inveja?’ A Cinha estava sempre a dizer: ‘Ai por que não me deixas falar e por que é que tu é que falas?’”.

A entrada de Flávio Furtado na rubrica “Foi para provocar confusão”, acredita Lili, “tanto que eu conhecia lindamente o Flávio e, quando comecei a ouvir dizer o que ele dizia, eu só pensava que este não era o Flávio! A partir daí, a rubrica começou a seguir um sentido muito mais banal, muito mais brejeiro. Quando o Flávio começou, eu vi que era mesmo para abandalhar. Só vejo o que gosto, só oiço o que quero e só digo o que penso e, por isso, às vezes, quando ouvia o Flávio dizer coisas e até termos que me incomodavam e que eu nunca ouvi na minha vida, eu cortava, por isso sorria”.

Opinião diferente tem o cronista do social: “As pessoas já diziam que a Lili não deixava ninguém falar. E a Cinha está sempre a dizer que os jornalistas são maus e inventam. Eu passo-me, porque isto de se pôr figuras públicas a comentar o que sai na Imprensa… as pessoas nunca são imparciais. Porque elas são famosas e amigas de outras figuras, pelo que tentei ser sempre imparcial”. Ainda assim, Flávio Furtado já esperava este desfecho: “A rubrica não acabou por ter poucas audiências ou por desgaste, só que não há dinheiro. Mas, para nós também já era cansativo, porque há crise de notícias dos famosos e as nossas piadas já estavam esgotadas”, reconheceu.

A terminar, e questionada sobre se estava à espera deste fim, Lili Caneças frisou: “Não posso dizer que não houve vezes em que pensei que ‘não tenho nada a ver com este número, vou levantar-me e vou embora’. E uma ou duas vezes disse ao Manuel: ‘Hoje tocámos no fundo do poço’. E ele dizia-me: ‘só hoje?’ As pessoas perguntavam-me como é que eu me sujeitava a isto e eu respondia-lhes que o que eu digo não tem nada a ver com o que o Flávio e a Cinha dizem, mas de facto, eu também estava a participar. Acreditava sempre que as coisas iriam modificar-se, mas era constantemente provocada e pensava: ‘Não vou reagir’. O meu discurso era pedagógico e didático”. Segundo a socialite: “aparentemente isto não interessa para dar audiências, mas as pessoas não gostam quando há conflitos, coisas desagradáveis, pessoas a serem ordinárias umas com as outras e a tentarem rebaixar”.

  • Tiago Madeira

    Zangam.se as comadres descobrem.se as verdades!

  • Alfacinha2011

    acabam-se os tachos da logo confusao

  • Uma rubrica que não vai deixar saudades às donas de casa e reformados que a viam.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close