TVI

Miguel Guilherme está a «gostar imenso» de atuar em «Doce Tentação»

miguel guilherme

Foi com «Doce Tentação» que Miguel Guilherme teve o seu primeiro papel numa novela. Nesta produção da TVI que vai para o ar de segunda a sábado, o ator interpreta uma personagem milionária que prefere viver como sem-abrigo. A sua atuação como «Pingas» está a merecer elogios da equipa técnica e dos fãs.

Do «Pingas», o ator gosta «um bocado da loucura dele, de ter recusado um certo tipo de vidas e de ter continuado a ser sem-abrigo. Acho engraçado. Leio-o como um tipo que desistiu da vida que tinha para ter uma vida mais livre, de certa maneira. Claro que o álcool também o afeta de algum modo, não é? Contudo, ele mão mente quando diz que quer continuar assim. Este homem é assim porque quer. É milionário, devia ajudar as pessoas, mas não se ajuda a si mesmo.», conta à revista TV 7 Dias, acrescentando que «estou a gostar imenso de a fazer». Na composição desta personagem, Miguel Guilherme fica com a voz rouca: «Arrisquei um bocado. Aconteceu e achei que era capaz de ser engraçado. Há dias em que me sai melhor do que outros, mas acho que, regra geral, consigo manter o mesmo tom. Às vezes fico um pouco rouco.», confessou. A nível físico, «Não precisei de fazer grandes transformações, porque senão ia parecer um boneco e não era essa a ideia. A ideia era ser o mais real possível.», disse à mesma publicação.

Em relação ao final que o ator gostaria que a sua personagem tivesse, Miguel Guilherme conta que «Gostava de acabar numa grande limusina, com o meu filho, com champanhe, a fazer justiça. Fazer justiça pelas minhas próprias mãos: a ajudar os bons e a castigar os maus.», mas «Não sei se a “Manuela” (Carla Andrino) entra nestes projetos. Terá de começar a portar-se melhor. Ou ela se começa a portar como uma senhora, ou então… (risos)». Em jeito de balanço destes meses todos de gravações, o ator conta que «A novela é muito diferente, no sentido em que a duração da história é muito grande e há técnicas com a câmara que são diferentes, mas não é muito diferente do resto da ficção audiovisual. As coisas que tive de aprender, às vezes tenho de ser mais lento, porque tenho tendência a representar rápido, a não esperar que venha a reação. Não se aprende muito no cinema, aprende-se mais aqui.», concluiu.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close