Resumos TVI

«Louco Amor»: resumo de 11 a 17 de março

Louco Amor

Episódio 247

Violeta confessa a sua angústia a Gi, tem medo que Carlos não lhe volte a falar. Mas ela não é mulher para deixar as coisas como estão e decide procurar Carlos. Gi oferece-se para ir com ela, mas Violeta receia que possa ser perigoso. 

Patrícia está muito calma e diz não perceber por que é que a polícia a quer levar. Tanto Filipe como os polícias ficam confusos, não era aquela a situação que esperavam encontrar. Nesse momento entra Duarte e a atitude da rapariga muda completamente: Agarra num objeto e tenta agredi-lo, gritando que foi por causa dele que ela mandou matar Margarida. Os polícias conseguem levar Patrícia dizendo-lhe que vai ao hospital ver se está tudo bem com o bebé. Duarte fica em choque com o que ouviu. 

Carlinha cumpre a sua parte do acordo e entrega a Carlota o documento que prova ter sido Rafael a mandar matar António. Finalmente será feita justiça. 

Por mais que se esforce, Margarida não consegue perceber por que é que Dora fingiu ser sua mãe e Rafael seu pai. Lucinda diz que a única pessoa que poderia explicar aquilo é Dora, que está desaparecida. 

Violeta vai ao casino e Mendonça conta-lhe o que se passou e que Carlos já sabe o que aconteceu à irmã. 

Berta conta a Chico que tem uma irmã, filha de Carlos e Violeta. Chico fica preocupado a pensar no estado do pai ao descobrir que Violeta guardara um segredo daqueles durante tantos anos. 

Margarida diz a Bia que está determinada a confrontar Rafael, tem de saber qual era o interesse dele em fazer-se passar por seu pai. 

Marta chora e desabafa com Graça: Não quer que a filha passe a sua vida na prisão e tem de arranjar um bom advogado. 

Filipe conta a Carlos que foi Violeta quem correu o maior risco: Ele esteve sempre vigiado por agentes da judiciária e nunca teria sido morto. Carlos pergunta por que é que não seguiram Violeta e a protegeram também. Filipe diz que as ordens eram para que ficassem com ele. Só quando Ramirez apareceu morto é que se aperceberam do que se tinha passado. 

Guiomar diz a Margarida que Rafael não tem nada para falar com ela. Margarida começa a gritar e a exigir falar com ele. Rafael é atraído pelo barulho e Margarida pergunta-lhe por que é que lhe fez tudo aquilo. Rafael diz-lhe que não sabia de nada e que está muito magoado por ela lhe ter virado as costas. Ninguém lhe vira as costas sem pagar¿ 

Gi diz a Violeta que tem de falar com a sua filha e esta diz que sabe mas, por estranho que pareça, é por Margarida que sente um amor de mãe. 

Chico vai ter com Carlos, que está muito abatido, e faz tudo para confortá-lo enquanto ele conta toda a sua história com Violeta e o passado desta. 

Duarte vai ao Café do Óscar à procura de Margarida e acaba por encontrar Tomás, que o acusa de ser o culpado pela loucura de Patrícia. 

Violeta encontra-se com a rapariga que diz ser a sua verdadeira filha e esta conta-lhe que Dora sempre lhe disse que tinha duas mães. 

Carlos desabafa com Chico e diz-lhe a atitude de Violeta é imperdoável, mas este responde que o pai, mesmo sem intenção, fez exatamente o mesmo. 

Margarida conta a Carlota o que se passou na empresa de Rafael e diz que acha que ele fez tudo por vingança. Quis destruí-la e conseguiu: Lisboa deixou de ser um sítio onde ela queira estar e deseja voltar para Castelo de Vide. 

Elsa diz a Tomás que não pode ir trabalhar à tarde mas ele não quer saber, se ela não aparecer está despedida. Elsa fica irritada: É por ser assim que Tomás foi expulso da Suíça e é por isso que agora a mãe está a morrer e ele não pode visitá-la. Elsa não chega a acabar o seu raciocínio, Tomás não aguenta ouvir aquilo e dá-lhe um estalo. Elsa leva a mão à cara e fica a olhar para Tomás, espantada.

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close