TVI

José Fragoso explica posição da TVI face à GFK

“Neste momento não podemos estar a trabalhar neste quadro de instabilidade. Queremos estabilidade e credibilidade no sistema. Não estamos em condições de continuar a validar o trabalho da GfK”. É desta forma que o coordenador de Informação e Conteúdos do canal de Queluz de Baixo justificou, em declarações ao Correio da Manhã online a recente notícia de que a televisão de Queluz de Baixo não vai continuar a trabalhar com a atual empresa responsável pela medição de audiências.

“Na TVI tivemos sempre uma posição de colaboração, fomos dando tempo e permitindo que se fosse ganhando mais maturidade e credibilidade”, acrescenta José Fragoso ao CM, justificando-se ainda com as constantes falhas da empresa: “houve um conjunto de erros, um acumular de problemas, que desestabilizaram a forma como uma sistema destes deve funcionar”. Erros que se acentuaram na última semana, o que levou a TVI a tomar esta decisão, defendeu o responsável.

A TVI enviou uma carta à GfK e à Comissão de Análise de Estudos de Meios (CAEM) a informar que não vai continuar a trabalhar com a GfK. De resto, o canal vai mesmo reunir com a Marktest (a empresa que perdeu o concurso de audimetria para a GfK) para que esta meça as audiências.

 A terminar, e questionado sobre os motivos pelos quais não vai esperar pela auditoria ao sistema, requerida recentemente pela RTP, José Fragoso admite que esta demora vai demorar muito tempo e que o canal necessita de “trabalhar todos os dias com resultados credíveis, a horas e sem alterações”. “Precisamos de estabilidade. Não pode haver esta sucessão de problemas”, disse.

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close