TVI

Hugo Sousa orgulha-se do trabalho na ficção da TVI


É, atualmente, um dos mais conhecidos realizadores das telenovelas e séries da televisão de Queluz de Baixo, mas nem por isso deixa de manter a humildade com tudo o que construiu. É em entrevista à TV 7 Dias desta semana que Hugo Sousa fala um pouco sobre aquilo que tem feito ao longo da sua carreira.

“Os Morangos com Açúcar são o meu ‘bebé’. Entrei no quarto mês da primeira temporada e, desde então, abracei este projeto. E tenho dificuldades em largá-lo, já estive para o fazer e acabo sempre por não conseguir”, começa por dizer, justificando como é que se mantém a criatividade numa série tão duradoura: “O fato do elenco mudar ajuda bastante. A parte mais difícil é criar novas histórias com os autores e novos ambientes e aí tentamos ir em busca do que é feito lá fora e do que percebemos que o espetador quer. Tentamos adaptar-nos ao mundo conforme ele é. O musical foi assim, já era feito lá fora há muitos anos e daí surgiu a ideia de criar uns novos Morangos”.

Hugo Sousa mostrou-se ainda bastante contente por ajudar a “criar talentos”: “Inicialmente, é um desafio fazer deles atores. Leva tempo, às vezes acertamos, outras não. Ao fim de oito anos temos momentos em que é difícil gerir isso, mas é estimulante olhar para trás e ver que as grandes estrelas da TVI, neste momento, todas se estrearam nas minhas mãos, a fazer os Morangos. E isso dá-me alento para todos os anos pegar numa nova fornada e pensar: ‘Embora lá pegar nestes putos e fazer deles bons atores e as estrelas do canal daqui a cinco ou oito anos’”, afirma.

A terminar, o realizador confessou ainda que também sente vontade de fazer outros projetos que não Morangos com Açúcar: “Sim, mas vem também porque eu, após determinada fase, não queria fazer só Morangos, queria voltar às novelas da noite – que foi, aliás, onde comecei. Na altura, pedi-o ao André Cerqueira e acho que funcionou. Pelo menos, na primeira novela que fiz como coordenador, ganhámos um Emmy. Acho que fui bem-sucedido. Não é que Morangos seja diferente, mas é mais difícil”.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close