TVI

Cristina Ferreira indiferente ao assédio da concorrência

Cristina Ferreira

Depois de ter confirmado no ano passado que esteve com um pé na SIC, a apresentadora voltou a abordar o constante assédio da concorrência, em entrevista à Nova Gente.

“Para sair da TVI não é o dinheiro que me vai levar. Se um dia tiver que sair da estação é porque a estação já não é a minha casa. Andamos cá para sermos melhores, aceitarmos desafios e percebermos que ainda há caminho à nossa frente. Mas por enquanto a TVI é a minha casa”, começa por dizer Cristina Ferreira.

Já sobre o alegado salário de 30 mil euros, a colega de Manuel Luís Goucha prefere não falar: “Não vou falar disso. É o valor padrão dos ordenados dos apresentadores em Portugal. Se trabalhasse na RTP, os meus ordenados seriam públicos, mas trabalho numa estação privada…”, assegura, acrescentando que “Vou enfrentar a crise de uma forma muito mais suave do que a maioria dos portugueses. Porque tenho um emprego estável, ganho bem nesse emprego, e não sou de grandes extravagâncias… Mas se ganho bem é porque mereço!”.

A fechar, Cristina Ferreira abordou ainda as críticas que os ordenados das estrelas de televisão costumam receber, sobretudo numa época de crise: “As pessoas criticam os ordenados de jogadores de futebol e de apresentadores de televisão. Neste tempo de crise é muito fácil dizer que aquela pessoa ganha muito. Mas isto é uma empresa privada. Acho que as pessoas são pagas pelo valor do que dão à empresa. Não gosto de falar em números, mas não tenho problemas em dizer que ganho bem. Aliás, os bons que trabalham em televisão ganham bem”, finalizou.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close