«Caso Ana Leal» na origem de petição pública online

ana leal «Caso Ana Leal» na origem de petição pública online

O «caso Ana Leal» que culminou recentemente com a proibição por parte da estação de Queluz de Baixo de deixar entrar a jornalista nas instalações do canal está na base de um protesto na internet. Na origem do processo está um pedido de esclarecimentos enviado por Ana Leal ao diretor de Informação, José Alberto Carvalho, e ao Conselho de Redação da TVI acerca de uma peça jornalística sobre o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP), que seria emitida no Jornal das 8 de 26 de janeiro, mas que acabou por não ser transmitida nesse dia. A peça só foi emitida no dia seguinte, no canal de Informação TVI24, no espaço informativo da meia-noite, 25ª hora.

Agora, o caso que opõe a jornalista da TVI à diretora-adjunta de Informação da estação, Judite Sousa,  deu origem a uma petição pública online intitulada «Petição pela efectiva liberdade de Imprensa na TVI».

«Confrontados com a suspensão, pela TVI, da jornalista Ana Leal, os cidadãos exigem as seguintes respostas das entidades com obrigações legais de fiscalizar o livre exercício daquele direito, bem como da Administração do Grupo Prisa, que está obrigada a respeitar a Constituição da República e as leis democráticas de um estado soberano como Portugal, que restaurou a sua independência em 1640» pode ler-se no texto assinado pelos signatários.

No texto dirigido aos que quiserem assinar a petição, podem ainda ler-se algumas perguntas que procuram resposta: «Porque é que a directora adjunta, Judite Sousa, retirou do alinhamento do Jornal das 8 da TVI, de 26 de Janeiro, uma reportagem sobre a decisão da procuradora-Geral adjunta Cândida Almeida de não investigar, como devia, no interesse de todos os cidadãos e contribuintes, os fortes indícios de má utilização dos dinheiros públicos na adjudicação a uma empresa do grupo BPN, do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP)?», ou ainda,  «Que fiscalização exercem estas entidades sobre a licença de televisão concedida ao Grupo Prisa e a sua adequação à CRP e às leis de Portugal?», referem.

Recorde-se, tal como A Televisão noticiou, que a polémica levou mesmo a jornalista Manuela Moura Guedes, ex-pivô da TVI, a «atacar» Judite Sousa, atual diretora-adjunta de Informação da estação de Queluz de Baixo na página do Facebook onde alegadamente deixou uma série de acusações e insinuações à atual responsável do canal.

 

 

Se encontrou algum erro, selecione e pressione Shift + Enter ou clique aqui para nos informar.

  • Pedro R.

    Essa conversa da licença atribuída ao Grupo Prisa deveria ter vinda mais cedo, quando deixaram que uma empresa em pré-falência (tecnicamente) comprasse a empresa líder de TV em Portugal.

  • joana costa

    È só inveja, a Ana Leal tem que entender que existe uma direcção e tem que ser respeitada. Ele sim senhora faz grandes reportagens, merece respeito, mas perde-o a vir a público tentar denegrir a imagem de uma grande jornalista, como a Judite de Sousa. Ela podia marcar uma reunião com a Judite e não pedir justificações através de cartas e denuncias. Sobre a Manuela Moura Guedes a sua defesa não tem credibilidade nenhuma, pois a Ana Leal aquando do tempo do Eduardo Moniz, de certeza que tudo tinha que passar por ele e ele é que tomava as decisões e ela de certeza que obedecia. Quando numa empresa existe chefes , superiores herarquicos temos que os respeitar é assim que faz um bom profissional , caso este desobedece e ainda poe em causa o local de trabalho é-lhes imposto um processo disciplinar, isso está na lei, por isso não é preciso descutir muito sobre o assunto.

    • pathlost

      Enfim… parece que uma estação de TV – órgão de comunicação – é o mesmo que uma fábrica de chouriças.

    • Mario Carmo

      MEUS AMIGOS PETIÇÃO PUBLICA PARA UMA JORNALECA QUE FEZ A REPORTAGEM DOS ESCRAVOS?? Tenham juízo e venham ter comigo que eu mostro-vos a revista os MEDIA e os MERDIA E DE QUE FAZEM PARTE TAMBEM ARTUR ALBARRAN E FERNANDA CANCIO

  • S Carmo

    Fui vítima e a minha família de uma reportagem Infame destes seres,ana (des)leal e da moura,sem termos direito de resposta.Sofremos na pele o que é a injustiça de não ter o Poder dos Média…mas o destino vingou-nos! foram para a rua e aí é o sítio Ideal para as duas.Entretenham-se com os sem abrigo,talvez aprendam algumas verdades e cresçam!
    Deus é Muito Grande!
    Obrigada Pai!
    S Carmo

  • camaro

    DESAPARECE OH SENSACIONALISTA

  • S Carmo

    ana (des) leal não mereçe credibilidade nenhumaaaaaaa.
    Fui vítima de uma reportagem INFAME, e ela nunca pediu desculpas á família Teixeira do Carmo que vitimizou na TVI.
    Caso Escravatura do século em Loures – tudo mentira!
    Mereçe castigo e Deus é grande.
    Que prove do próprio veneno com que impunemente denegriu e acusou inocentes.
    Ela e a moura foram execráveis duarante semanas a toda a hora a molestarem-nos.
    Sofremos o pão que o diabo amassou por culpa delas.
    Que agora sintam o fogo arder-lhes em cima!
    Força Judite de Sousa!
    Estamos com a justiça e credibilidade!
    Castigo ás infratoras,delatoras,caluniosas,mentirosas,ignóbeis,mentecaptas etc,etc da sociedade!
    S Carmo

  • S Carmo

    digo … durante semanas

  • S Carmo

    Estamos consigo Exª Srª Drª Judite de Sousa.
    Contra caluniosas,delatoras,e fazedoras de vitimas sem nunca pedirem desculpas por reportagens caluniosas,infames,DE QUE A MINHA FAMÍLIA FOI ACUSADA.
    Estamos consigo,com a justiça, lealdade e veracidade nas matérias que levam para o ar!

  • SC

    Abaixo ana (des) leal e moura!
    Força Ex.mª Srª Drª Judite de Sousa.
    Exigimos pedido público de desculpas “dessas duas”!
    Família acusada injustamente que sofreu calunias durante semanas no ar,reportagem ignóbil e injuriosa.
    Isto foi agressão psicológica do mais violento que se pode imaginar!
    Até hoje não esqueçemos o que passamos.Fomos torturados nos media.

    Mas, http://caras.sapo.pt/famosos/2011/09/02/ana-leal-decidiu-que-leticia-jovem-que-acolheu-durante-13-anos-deveria-sair-de-casa-e-seguir-a-sua-vida
    leiam,sofreu na pele o mesmo!
    Deus não dorme,meus amigos.

  • Reunite Ellie PT

    O Tribunal de Família e Menores de Faro mandou executar uma venda por leilão sobre a penhora de Prédio Urbano, denominado por Mouragolf Vilamoura na freguesia de Quarteira, propriedade de Filipe Nascimento Silva, para saldar a sua dívida no valor de €25,797 pelo não pagamento da pensão de alimentos à sua filha menor.

  • Rui

    A verdade sobre Filipe Silva, Mouragolf, Vilamoura, Algarve.
    http://www.scribd.com/doc/186504727/A-verdade-sobre-Filipe-Silva-Mouragolf-Vilamoura-Algarve

  • Pingback: Judite Sousa sobre «Caso Ana Leal»: «Manda quem pode, obedece quem deve» | A Televisão