SIC

Vencedores do «Ídolos» acreditam que é possível fazer carreira depois do programa

A uma semana de serem conhecidos os doze finalistas do talent-show da SIC, a revista Correio TV esteve à conversa com três dos quatro vencedores das temporadas anteriores, que admitiram que é possível viver da música depois de participar no Ídolos.

“Para mim é positivo ir a um concurso como o Ídolos, ou qualquer outro para cantores, porque tudo o que possamos fazer para divulgar o nosso trabalho é bom”, começa por dizer Sérgio Lucas, o vencedor da segunda edição, acrescentando que “O facto de ter ganho o Ídolos abriu-me as portas para trabalhar em muitos sítios. Desde então, e graças a não ter desistido, como muitas vezes apetece, e ter insistido, já fiz teatro musical, programas de televisão e lancei dois álbuns de originais meus”.

Filipe Pinto, por sua vez, “não poderia fazer um balanço melhor”: “Para um aluno de engenharia florestal, que tencionava trabalhar nesta área, que venceu o programa e agora consegue dedicar-se a 100% à música, é uma enorme vantagem. Não tenho dúvidas de que isto foi o melhor que me poderia ter acontecido”, afirma o vencedor da terceira temporada, admitindo ainda que “poder estar a desenvolver um trabalho há dois anos na área musical é certamente positivo”.

Já a vencedora da quarta edição, Sandra Pereira, realça as “coisas boas e más” que o Ídolos trás: “Quando participei tinha a esperança de que a minha vida mudasse em muita coisa, e a verdade é que mudou: em alguns casos para melhor, noutros para pior”, explica a jove, acrescentando: “Só o facto de as pessoas terem feito com que ganhasse o programa é um bom sinal, significa que dão valor àquilo que fazemos e que gostam de nos ouvir. E a vitória fez com que aparecessem alguns trabalhos, nomeadamente em publicidade. Mas passado algum tempo, e isto depende das pessoas com quem trabalhamos, as coisas voltam quase ao início”.

A grande vencedora da última edição revelou ainda que “quando acabou o programa, e depois da euforia inicial, fui-me um pouco abaixo. Porque isto é como um fogo-de-artifício: toda a gente está ansiosa para ver, bate palmas, mas, quando acaba, todos se vão embora. É isso que acontece com o ‘Ídolos’: de repente damos um pulo muito grande, mas depois caímos quase a pique”, explicou, finalizando com aquela que considera a grande conquista do programa: “A grande mais-valia dos ‘Ídolos’ é que nos dá visibilidade. Mas depois o programa acaba e há pessoas que vêm trabalhar connosco, umas melhores, outras piores… Eu decidi então trabalhar sozinha”. Sandra Pereira está agora a preparar o seu primeiro álbum de originais.”

Resta saber se o grande vencedor, ou vencedora, desta quinta edição conseguirá a mesma sorte do que Sérgio Lucas, Sandra Pereira e Filipe Pinto.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close