SIC

Tripeiros e alfacinhas no arranque do “TGV”

Eis que vem aí mais um clássico. Lisboa e Porto digladiam-se no programa de estreia de “TGV”, já no próximo domingo.

O concurso evoca os tradicionais “Jogos sem fronteiras”. Nuno Santos, o director de Programas, admite que se trata de “uma réplica reinventada de um género televisivo que ditava a moda nos anos 80, 90”.

Por razões de ordem logística, a SIC optou por rentabilizar as infra-estruturas já criadas em Madrid, para ali produzir o programa. “Gastamos cerca de quatro vezes menos”, explica o responsável, enquadrando a escolha no cenário de parco orçamento que assola o canal. “Globalização dos mercados televisivos” foi a frase eleita para descrever esta solução. Nuno Santos mostra-se confiante face ao êxito que o TGV possa vir a ter. “A televisão é simples, as pessoas é que teimam em complicá-la”, apontando a “simplicidade” deste conteúdo como a sua mais-valia.

A apresentação está a cargo de uma jovem dupla. Segundo Nuno Santos, João Manzarra é um valor que o canal generalista repescou ao laboratório da estação -a SIC Radical. Para o director, os dois têm qualidades para se transformarem em dois grandes vultos televisivos. E a SIC precisa de sangue novo, refere.

JN

TGV

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close