SIC

‘Salve-se quem puder’ com anónimos e com famosos

Uma piscina, com água muito fria, duas equipas, seis concorrentes e muitas paredes em jeito de obstáculo são a base do concurso que a SIC estreia a 1 de Junho. Diana Chaves e Marco Horácio vão conduzir ‘Salve-se Quem Puder’.

Baseado num formato japonês, o concurso vai ter 60 edições, mais dez especiais semanais com figuras públicas a liderar as equipas de concorrentes. Tudo indica que será exibido em horário nobre e, apesar de estar ainda sem periodicidade definida, está a ser preparado para ser emitido diariamente, incluindo Sábados.

sqp

O novo conteúdo de Carnaxide compartimenta-se na linha daquela que tem vindo a ser uma aposta consistente a nível programático: o ‘light entertainment’. “Comporta a junção dos ingredientes certos”, afiança Nuno Santos, director de Programas, que descreve ‘Salve-se quem puder’ como “um produto de ruptura com a oferta típica das televisões generalistas”, classificando-o ainda de “divertido e curioso”. “Queremos reforçar o horário nobre da SIC e ser mais fortes entre o público dos quatro aos 45 anos. Queremos que se revejam neste formato divertido, transversal e familiar”, sublinhou.

Nesta espécie de tétris humano aplicado ao pequeno ecrã, cuja carreira internacional é sintomática do seu êxito (existem cerca de 20 versões distintas), estão depositadas “imensas expectativas” no desempenho de Diana Chaves, não enquanto actriz, mas como apresentadora.

Diana Chaves assume-se “entusiasmada, mas acima de tudo ansiosa e nervosa”, ainda que reconheça que a “adrenalina contribui para que as coisas corram melhor”. E acrescenta: “O que mais me assusta no projecto é não haver guião, nem teleponto. É tudo feito na base do improviso e espontaneidade. Vai valer-me o Marco Horácio que me deixa confortável e que vai garantir diversão”.

Em contrapartida, é justamente o facto de ser um formato “sem rede” que motiva Marco Horácio: “Não gosto de nada muito elaborado”, revelando-se adepto da “autenticidade”, e garantindo que irá ser tudo na base da “acção/reacção”: “De mim podem esperar tudo…”

Após três anos de ausência em antena, o eterno rosto de ‘Levanta-te e ri’, não poupa elogios à SIC: “A casa onde me fiz actor, apresentador e cresci como homem”, bem como à parceira de trabalho: “É humilde e tem um sentido de humor refinado”, sublinha, até porque “o programa viverá muito da dinâmica e empatia entre os apresentadores”.

Sempre com uma pitada de comicidade no seu discurso, Marco define o programa como sendo “extremamente estúpido”, aliás, o que se enquadra na “estupidez do animal à solta”, tal como se auto-intitula, só contrabalançada pela “dignidade que a Diana lhe irá conferir”.

As gravações de ‘Salve-se quem puder’, produzido pela ‘Fremantle’, arrancam na próxima semana.

Fontes: JN e CM

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close