SIC

“‘Rosa Fogo’ é distinta, porque é melhor!”

A palavra intensidade anda na boca de toda a gente com protagonismo em Rosa Fogo. Talvez porque a novela começa na Argentina e se pretenda que seja a expressão perfeita do que é um tango, ou seja, algo complexo, misterioso e forte.

Rogério Samora diz não sentir a pressão, transmitindo a ideia de que nada disto constitui grande novidade para ele, ainda que assuma “uma certa pressão”. “Sabemos que temos de ter um êxito entre mãos e isso tenho a certeza de que temos”, assegura o ator que terá um papel de destaque, e acrescenta: “Mas não estamos em guerra contra ninguém. Nós não queremos que ninguém vá para o desemprego. (…)  Se se pode ter um produto [novelas da TVI], por que não ter dois?”. Ainda acerca do seu primeiro trabalho depois da polémica transferência da TVI para a SIC, o ator explica que mudou de estação porque lhe apeteceu, porque queria ser galã e porque “é melhor mudar [de ares]” quando ser percebe que “se está a ficar velho antes de tempo” (talvez uma alusão ao seu personagem em Mar de Paixão, último trabalho em que participou na TVI).

É o discurso oficial da SIC e que já vem pelo menos desde Laços de Sangue – a novela que conseguiu ombrear nas audiências com as da TVI -, de que existe de facto uma alternativa séria na ficção. Júlia Pinheiro fala em “passos gigantes” dados pela estação de Carnaxide e Luís Marques, diretor-geral da mesma, em “novelas distintas da concorrência, porque são melhores”.

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close