SIC

Presidente de Associação Homossexual critica ficção portuguesa

Foi na passada quarta-feira que a SIC transmitiu o episódio de Dancin’ Days em que Aníbal (Vítor Norte) assumiu perante a mulher, Áurea (Custódia Gallego), que era homossexual. O episódio captou uma audiência elevada, mas, ainda assim, a forma como a homossexualidade é abordada na televisão nacional merece críticas do presidente da ILGA (Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero).

Na opinião de Paulo Corte-Real, a ficção nacional “está muito longe de atingir a maturidade”. “Na novela, há uma ou duas personagens, entre dezenas”, admite, acrescentando que os cidadãos “gostam” de ser representados na ficção porque “precisam de modelos” para a “construção da sua personalidade”.

Tendo em consideração que as duas personagens vão sair do enredo antes do final, o presidente de ILGA afirma que, uma vez mais, não se irá ver um casal com “manifestações de afecto, com divergências e problemas”

Já António Serzedelo, presidente da Opus Gay, explica que estas questões “estão mais normalizadas e aceites”, sobretudo nos meios urbanos. Serzedelo diz ainda que a SIC, também pela ligação à Globo, “tem mostrado alguma abertura” para estas questões.

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close