SIC

Podia acabar a novela com um assassinato

Ficção da SIC promete fim surpreendente. Actores tristes com exibição tardia

O JN esteve presente na recta final de gravações de “Podia acabar o mundo” que vai brindar os espectadores com aliciantes recheados de emoção. Eduardo é morto pelo mais insuspeito homicida. Talvez a novela corte a meta com audiências mais simpáticas.

A “Quinta dos Plátanos”, nos arredores de Alenquer, foi o palco das últimas cenas que poderão ser vistas, em breve, da produção da nacional da chancela SP Televisão para a SIC, tendo em conta a “décalage” de sensivelmente três semanas entre as filmagens e a exibição na antena de Carnaxide. Ao derradeiro desfecho, os jornalistas não tiveram acesso, fazendo um compasso de espera para poder assistir às precedentes, e não menos importantes, imagens que integram o capítulo final da saga.

O vilão Eduardo sucumbirá, após ter espalhado um rasto de actos hediondos por onde passava. Mas quem terá coragem para lhe colocar um terminus à vida? A própria mãe. Que nem clímax Shakesperiano, a única a não poupar quem nunca poupou ninguém foi quem o trouxe ao mundo. Aliás, a inspiração no dramaturgo é confessa. Virgílio Castelo, que dá corpo ao mau da fita, disse que a ideia brotou da obra “Macbeth”.

Aparentemente, Rodrigo (Diogo Morgado) e Vera (Joana Seixas) encerrarão as divergências conjugais, sendo que devem mesmo terminar enquanto casal feliz, contrariando o presumível sucesso da relação com Vitória, interpretada por Cláudia Vieira. A par desta actriz, que constituiu um trunfo para a novela, também Diana Chaves, outra jogada do director de Programas, Nuno Santos, foi como que usurpada à TVI. Ambas tinham contrato de exclusividade com Queluz. Paralelamente, foi Manuel Arouca, autor de guiões de êxito na concorrência, a assinar o argumento de “Podia acabar o mundo”.

Mas nem assim, a SIC conseguiu aproximar-se dos imbatíveis resultados da ficção nacional da estação dirigida por José Eduardo Moniz. Aos 19,3% de “share” (quota de público) da intriga da SIC, “Feitiço de Amor”, da TVI, contrapõe 40,5%.

Aliás, as fracas audiências foram apontadas pela sinceridade de uma criança. Afonso Lopes, que veste o pequeno João nesta novela, relacionou o facto de “Podia acabar o mundo” ter sido remetido para um horário tardio com os baixos valores obtidos.E até Virgílio Castelo, que também é responsável pela ficção da SIC, admitiu que “um actor gosta sempre de ver o seu trabalho a ir para o ar em ‘prime time'”. Contudo, um balanço positivo é consensual no núcleo da equipa.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close