SIC

‹‹Herança de Sangue›› no ‹‹Perdidos e Achados›› de amanhã, no ‹‹Jornal da Noite››

PERDIDOS E ACHADOS

No sangue português correm sangues de outros povos. A Talassemia e a Drepanocitose são duas doenças deixadas pelos povos árabes e pelos escravos africanos, respectivamente.

Há 1300 anos…quando os árabes conquistaram a Península Ibérica trouxeram com eles um traço genético que, passados tantos séculos, permanece no sangue de muitos portugueses – o traço talassémico.

Inofensivo, silencioso e apenas detetável com análise genética, o traço só se manifesta quando um portador se cruza com outro, dando origem a crianças portadoras de Talassemia, uma anemia crónica que pode provocar a morte prematura.

Séculos mais tarde, as levas de escravos africanos trazidas para trabalharem nos campos agrícolas das bacias do Tejo e do Sado deixaram por cá outro traço genético – o drepanócito – que, tal como o talassémico, uma vez cruzado com o drepanócito de outro portador, pode resultar numa criança vítima da drepanocitose: uma mal formação dos glóbulos vermelhos que ao invés de nascerem em forma côncava, nascem em forma de meia-lua, sendo a causa de falhas graves no crescimento e de crises de dor profunda.

Em 2003, a SIC retratou essas doenças e agora, nove anos mais tarde, o ‘Perdido e Achados’ foi ao encontro dos jovens que foram vítimas do sangue dos seus antepassados.

Sábado, dia 10 de novembro, no ‹‹Jornal da Noite››

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close