SIC

“A Fátima não se portou bem”, diz Nuno Santos

Depois de se ter confessado ao Correio da Manhã de ontem, o director de programas da SIC é um dos entrevistados da edição desta semana da revista TV 7 Dias. Uma conversa sincera e directa, em que não fugiu a qualquer pergunta.

 

Questionado sobre o facto de a SIC ainda não ter conseguido ser líder um único mês, desde que assumiu o cargo, o jornalista foi peremptório: “Quando cheguei, não prometi a SIC imediatamente líder. Disse que a estação pretendia ser mais inovadora, irreverente e interventiva. Não se conseguiu na exacta medida em que eu pretendia, porque sou um eterno insatisfeito, mas o caderno de encargos está a ser cumprido. Hoje, a oferta da televisão temática pesa cerca de 20 por cento no mercado. Nesse contexto, enquanto canal generalista, a SIC é a estação líder naqueles que são os seus públicos prioritários, os targets comerciais.”

Em cima da mesa esteve, claro está, a transferência de Fátima Lopes para a TVI. E sobre isso, Nuno Santos não quer alongar-se: “Tenho pouco a dizer sobre isso porque aquilo que me importa é o futuro, não o passado. Lamento a perda da Fátima. Acho que ela é um nome forte da televisão em Portugal, mas acho que não se portou bem com a SIC. Desejo-lhe sorte. É uma pessoa por quem tenho, até, estima.” E, agora é Conceição Lino quem vai dar o litro nas tardes do canal. E o que poderão os portugueses esperar de Boa Tarde? “Será uma tarde diferente. Teremos uma fase de habituação dos públicos a uma apresentadora que, nos últimos 18 anos, fez outras coisas. Uma situação que, vista de fora, significaria fraqueza – devido à saída de Fátima Lopes -, mas que transformámos numa situação de força!”, explicou, frisando ainda que Conceição Lino não deixará “de ser quem é”.

Não querendo entrar em polémicas, o director de programas fez questão de elogiar a concorrência, nomeadamente André Cerqueira, que nas suas palavras, “deu boas provas e quer ganhar este novo combate. Ainda não o vi fazer muito, também não teve tempo, mas tem falado bastante.” E sobre José Fragoso? “gosto muito do Fragoso, é sério a trabalhar, mas não me peça para falar sobre os conteúdos da RTP. Não sou crítico de televisão. Durante os meus anos, todos os dias se escrevia sobre a RTP e agora constato que não é assim…”

Prestes a terminar, Nuno Santos deixou bem claro que continuará a desempenhar o cargo de responsável pela programação, mesmo com a chegada de Gabriela Sobral: “O Luís Marques entendeu reforçar a nossa estrutura de produção e, conceptualmente, isso está certíssimo. A Gabriela é uma das profissionais de televisão mais competentes e experientes que conheço e vai ajudar a SIC a ser mais forte. Eu gosto de trabalhar com os melhores”, frisou.

Por último, uma questão curiosa: “Não teve a hipótese de comprar a Casa dos Segredos, que a TVI vai exibir?”, perguntou o entrevistador, recebendo como resposta: “Na grelha da SIC, os géneros fundamentais são ficção, desporto, informação e entretenimento, onde incluo os reality-shows. Um programa com o perfil de A Casa dos Segredos – ou outros que temos identificados – cabe na nossa grelha”.

Tags

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close