Like E Dislike

Like & Dislike (20 julho)

Like & Dislike2012

Depois de um interregno de algumas semanas, o Like & Dislike está finalmente de regresso a partir desta semana!

 

LIKE – Tânia Spínola de ferro

 A emissão especial da RTP, em torno dos incêndios na ilha da Madeira, na última quarta-feira, acabou por se tornar num autêntico case-study. Ao início da noite, quando a situação se tornava realmente grave, a emissão da RTP Informação (emissora pública, com uma maior responsabilidade de serviço público na cobertura destas catástrofes) dedicava a sua emissão a Nelson Mandela e a um especial em direto que se limitava apenas a passar em roda-pé algumas informações acerca do caos que se vivia na ilha da Madeira. A emissão especial, essa, arrancou apenas às 23h00, com a interrupção abrupta do programa Justiça Cega. Estela Machado controlava a noite informativa do canal, mas isso parece não ter influenciado nada na decisão, a quente, da direção de informação da RTP que escolheu transmitir a emissão especial da RTP Madeira em simultâneo na RTP Informação. Transmissão essa que se propagou, minutos depois, também para a RTP1.

Na Madeira, Tânia Spínola seguia bastante segura na emissão. Nem o facto de a audiência ter, praticamente, quadruplicado de umas meras centenas de espectadores madeirenses para alguns milhares que a seguiam via RTP Informação e RTP1, a demoveu de seguir competentemente a emissão, tal como o repórter no terreno, Paulo Jardim.

Apesar da catástrofe, a RTP Madeira teve, na última quarta-feira, a oportunidade ideal para mostrar serviço e mostrar que, afinal, também tem profissionais bastante competentes que acabaram por segurar uma emissão ao longo de mais de duas horas. O que é incompreensível, e aqui entra esta componente de case-study, foi, no dia a seguir, a RTP ter prescindido dos profissionais da terra para enviar jornalistas de Lisboa, para, basicamente, ofuscarem o trabalho dos insulares.

 

DISLIKE – Conceição Lino displicente

O “boneco televisivo” de Conceição Lino é inconveniente. Não sei se intencionalmente, se devido à complicada transição do registo informativo para um registo de entretenimento. Mas este “boneco” da apresentadora está muito longe de me convencer. A mim e, pelos vistos, a grande parte do público. O Boa Tarde da SIC já viu tardes bem melhores, no que às audiências diz respeito. Não pela excelência de conteúdos mas, acredito eu, pelo desconforto de ver uma jornalista a esforçar-se para fazer entretenimento.

Ainda esta semana, o músico Miguel Araújo viu, devido a erros técnicos, a sua atuação a vivo acabar por ter de ser interrompida. O que Conceição Lino fez para resolver a situação? Mandou para o ar uma frase meio insolente, sorriu, e seguiu com o alinhamento, sem qualquer justificação ao músico ou, pelo menos, um pedido de desculpas. Miguel Araújo lá teve de carregar com a entrevista com um visível desagrado estampado na sua cara. E a atuação, essa, acabou por não acontecer.

  • Jo Saints

    LIKE & DISLIKE AGREED!

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close