Ídolos

Diário de um Ídolo – Filipe Pinto vence!

Boa noite! Terminada a gala de Ídolos é o momento de lhe trazer a análise mais rápida. Está em linha o Diário de um Ídolo!

E o novo Ídolo de Portugal é: Filipe Pinto

Uma vitória merecida pelo seu esforço e crescimento ao longo do programa. Apesar de os dois serem vencedores, foi Filipe Pinto que conseguiu “agarrar” o maior número de votos do público português. Público esse que é soberano e fez-se manifestar. Ao vencedor, o TV Universo deseja as melhores felicidades, bem como a todos aqueles que fizeram com que esta terceira temporada de Ídolos se tornasse no sucesso que constatamos actualmente.

Passemos agora à análise da derradeira gala.

O inicio da noite foi magnífico. A ideia de criar um ring no palco foi bastante inteligente e levou o público ao delírio.

O medley inicial foi muito bem pensado. Pena não participarem todos os 15 finalistas. Mas, ainda assim, é de louvar a ideia. Um mix de músicas muito actuais, finalizado com “Viva La Vida” dos Coldplay, em que os dois primeiros classificados já entravam foi bastante bonito.

Nota alta para o público. Em jeito de concerto, a penúltima gala de Ídolos, conseguiu criar um ambiente fantástico proporcionando ao público que estava em casa uma óptima sensação.

Passemos então à análise das actuações.

O primeiro tema de Diana demonstrou mais uma vez a excelente cantora que ela é. Notei alguns problemas inicialmente, mas após retirar o auricular, a candidata de Lagos conseguiu soltar-se. Merece nota alta pela reacção que provocou no público. Não me tinha apercebido do seu estado, o que só prova a enorme vontade que tem em vencer, caso contrário, não conseguiria estar em palco.

Filipe trouxe mais uma excelente interpretação até ao público com o seu primeiro tema. Poucas diferenças se notaram relativamente a outras actuações, mas mesmo assim merece nota positiva. O brilho dos seus olhos foi uma constante e demonstrou mais uma vez aquilo que sente ao cantar.

A brincadeira com a “mão no bolso” de Pedro Boucherie Mendes é a prova de que o júri também sabe entrar na “onda” do público.

Já a actuação de Filipe e Diana com Laurent Filipe foi um dos momentos altos da noite. Brilhante a forma de tocar do jurado e magnifica interpretação dos dois concorrentes. Todavia, achei Diana um pouco superior a Filipe. O público gostou e fez-se ouvir.

“Mercy” demonstrou mais uma vez a Diana versão pop. Foi muito bom recordar o seu primeiro casting e ver a interpretação que deu ao tema. A interacção com os bailarinos também foi muito boa. Voltámos a ver o sorriso que esteve ausente no primeiro tema.

Ouvir novamente Filipe a cantar Pearl Jeam acompanhado da sua guitarra foi como que relembrar o miúdo indeciso que apareceu no primeiro casting. Como “amadureceu” este rapaz! A ovação do público foi mais que merecida. A garra com que cantou foi digna de um artista com uma carreira conceituada. O grito de contentamento que deu foi mais uma prova de que aquele era o “verdadeiro” Filipe Pinto.

O Ídolos do futuro foi uma ideia simplesmente muito boa. Nota alta para quem a teve e para os pequenos talentos que acederam ao apelo da produção. Achei a actuação dos GNR desnecessária. O tempo que ocupou poderia muito bem ter sido dado aos finalistas, que poderiam ter interpretado outro medley. Penso que nesta fase do jogo, já não valia a pena uma actuação de um convidado especial.

Gostei mais de ver Carlos a cantar “Paparazzi” desta vez. Mais seguro, mais solto, arrasou. Com uma interpretação ao seu estilo provocou a ovação do público. Talvez o facto de não estar em competição tenha contribuído. Rever Mariana e Mel foi como que voltar um tempinho atrás. Duas vozes muito boas. A interacção entre as duas foi muito agradável e conseguiram proporcionar um grande momento. Tinha saudades, de ambas. Catarina e Solange recordaram um tema cantado por Carolina. Duas “gatas” que puseram a plateia inteira a dançar. Um dueto que funcionou muito bem, com duas vozes magnificas que marcaram o talentshow. E como não poderia deixar de ser, também Carolina e Inês tiveram direito ao seu momento. Muito sensuais, e com a “ajuda” das suas magnificas vozes, foi mais um dos momentos altos da noite.

Para terminar um último balanço sobre a gala. Muito boa, melhor do que muitas outras. Os apresentadores estiveram agradáveis. Notei um maior à vontade por parte de Cláudia Vieira e um João Manzarra no seu estilo: divertido e sempre bem disposto. Ver chegar ao fim este programa é como que perder-se uma rotina. Já era habitual aos domingos estar agarrado ao televisor à espera que o talent-show começasse. E agora? Conseguirá a SIC fazer outro sucesso como este Ídolos? Oxalá que sim.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close