Ídolos

Diário de um Ídolo – Análise do duelo!

Boa noite. Seja bem-vindo à nova edição do Diário de um Ídolo! Como sabe, após cada gala do talent-show da SIC, pode contar com a análise e comentário à mesma, aqui no TV Universo! Não falha!
Antes de começar a minha análise, tenho de relembrar que o estúdio estava a abarrotar! E não, não são figurantes pagos! São fãs do programa, que querem ir assistir ao mesmo! De referir ainda que Cláudia Vieira estava linda.

Analisemos agora as várias actuações da noite
Dueto – Achei os dois concorrentes ao mesmo nível. Sem dúvida que estes eram os dois merecidos finalistas, e as suas excelentes performances não deixam certezas relativamente à vitória. Gostei da interacção entre ambos, assim como da parte que cada um deu de si. Foram originais, e deram energia à música.

Gostei de ouvir o Filipe a falar da sua prestação desde o primeiro casting. Sincero e humilde, falou da sua história no concurso da SIC. Achei uma boa ideia da estação de Carnaxide mostrar imagens nunca antes vistas.

Admiro o Filipe por reconhecer o talento de Diana, e a sua voz magnífica. Acima da vontade de vencer, nota-se que existe uma cumplicidade não só entre estes dois concorrentes, mas também com os restantes. Percebe-se que neste programa se formou uma família – a família Ídolos.

O primeiro tema do Filipeé simplesmente lindo, capaz de colocar qualquer pessoa arrepiada. Sabendo que esta é a praia deste concorrente, não há dúvidas relativamente à excelente performance que teve. Não se limitou a imitar o que foi cantado pelo grupo (Goo Goo Dolls). Tal como no dueto, foi original, e tornou a sua prestação mágica. Adorei.

Relativamente ao vídeo da Diana, achei que tal como o do Filipe, estava bem feito. É sempre bom relembrar os primeiros momentos dos concorrentes no programa. De facto, existe na Diana uma grande evolução. De tal maneira que se compararmos a energia e presença dela no primeiro casting, com as suas actuações da gala deste domingo, as diferenças são óbvias. Tenho um grande gosto em visualiza-las!

A presença em palco da Diana é simplesmente fenomenal. O à vontade dela a cantar é um máximo. Gostei da sua atitude ao permitir que Inês Laranjeira cantasse uma das músicas do seu historial nos casting. Tal como o Laurente Filipe referiu, a Diana é uma artista completa. Ela canta, dança, representa, e nesse aspecto está à frente do Filipe.

Sobre o dueto com Pedro Abrunhosa:

Cantar em português pressupõe sempre mais sentimento. Foi o que notei na actuação do Filipe. Gostei muito, mas penso que houve alguma desafinação na parte do refrão.

“Momento” é daquelas melodias que fica no ouvido. Lembro-me da actuação da Flora, concorrente da Operação Triunfo, na RTP1. Apesar desta recordação, a sua qualidade vocal não se compara com a de Diana Piedade.
Sobre a prestação da concorrente de Ídolos, tenho a dizer que esteve muito bem! Adorei. Deu-me foi alguma impressão que existiram problemas na interacção com Pedro Abrunhosa. Pareceu-me que não se sabia bem quem cantava o quê. Pelo que se disse, os ensaios foram curtos. Neste sentido, percebe-se o porquê dos erros.

Relativamente à terceira actuação:

Filipe Pinto –Mais uma vez, a música escolhida foi adequada a sua voz. Achei a ideia de ir cantar para o pé do júri bastante inteligente. Sem falar, Laurent Filipe expressava: “este míudo é fantástico”. Gostei de o ouvir. Teve presença, ritmo, e soube interagir com a banda. Foi uma das melhores prestações deste concorrente, desde o inicio do programa.

Diana Piedade –Mais uma vez cantou, dançou e agarrou a música da melhor maneira. Tanto a Diana e o Filipe têm um estilo bastante comum – rock e grunge. Nota-se que a sobrinha de Manuel Moura dos Santos é mais pesada, e não tenho dúvidas que dava um grande espectáculo de som, luzes, e bateria! Gostei muito de a ouvir. Transmitiu uma energia fenomenal!

Relativamente ao júri, esteve bem. Pedro Boucherie mandou as piadas do costume. A de hoje esteve relacionada com a gravata de Laurent Filipe. Manuel Moura dos Santos estava orgulhoso dos dois finalistas. Laurent Filipe é a ajuda em pessoa. Para ele, o comentário significa auxílio. Roberta Medina esteve “legal”.

Sobre os apresentadores, continuo com a minha opinião. Estiveram bem. Notei mais alguns percalços no teleponto por parte de Cláudia Vieira. De referir uma coisa que não sei se repararam. Quando Pedro Abrunhosa caiu, o auxílio de João Manzarra foi instantâneo. Não se “acanhou”. Foi perspicaz. Nota máxima para o novo apresentador da SIC!


Para a semana, cá estaremos para saber quem vencerá a terceira edição de Ídolos. Quem será? Diana ou Filipe? Uma coisa é certa: qualquer um deles merece!

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close