Holofotes

Magazines

Os serviços noticiosos das nossas televisões sempre foram uma espécie de calcanhar de Aquiles do nosso país. Mas não é só connosco que tal acontece. Aliás, somos humanos e cometemos erros e, consequentemente, estamos sempre a aprender como nos modelar e melhorar em certa capacidade ou habilidade.

Ora, as notícias em geral são bastante importantes na medida em que nos permitem estar actualizados sobre o que acontece lá fora. Desde o aparecimento da televisão, a globalização tomou proporções gigantes e não é por acaso que quando mudamos para um canal de notícias estejamos a ouvir, por exemplo, que houve um ataque terrorista acolá ou que o presidente do Brasil fez isto ou aquilo. É este o poder da rede de informação. Nós, humanos, somos as aranhas que tecemos as várias teias.

A RTP1, a SIC e a TVI têm dois magazines informativos às 13h e às 20h, de uma hora de duração. Já a RTP2, às 22h, apresenta-nos o seu magazine de, aproximadamente, meia – hora.

A informação em Portugal está muito debilitada.

Por um lado, já este ano, a SIC aumentou a duração do seu Primeiro Jornal para hora e meia. Não entendi esta medida porque, em primeiro lugar, noticiários de uma hora tendem a cansar o espectador muito mais e, em segundo lugar, há mais espaço para a repetição de notícias.

Da informação da TVI nem falo porque a minha opinião é partilhada por, se calhar, metade deste país.

Já da RTP que, a meu ver, é a melhor, por vezes não consegue distinguir a qualidade da popularidade. Por exemplo, aquando da conclusão do Processo Casa Pia, a Grande Entrevista e mesmo os magazines de informação colocaram Carlos Cruz, no ecrã, durante demasiado tempo como se ele fosse o único com algo para dizer. É claro que aqui faltou um pouco de organização.

Como cada televisão apresenta o seu canal próprio de notícias no Cabo, dá-me a entender que há uma espécie de desleixo face à informação que nos é mostrada nos generalistas pois têm aquela âncora quando se devia proceder ao contrário. Não seria mais eficiente exibir magazines informativos de 25 a 30 minutos durante o dia para que, quando o espectador mudasse de canal estivesse sempre a par do que se passa em volta do globo? Não querendo tornar o generalista num canal temático, a balança entre o entretenimento e a seriedade ficava mais equilibrada.

Isto sucede um pouco com a RTP pois exibe um magazine a partir das 7h, outro às 13, outro às 18h e outro às 20h, sem contar com os programas de entrevistas. Gosto da forma como a RTP está estruturada mas é canal público. Já a SIC e a TVI preferem as audiências e o que uma faz, a outra tem de fazer. Que tal inovar um pouco? Estamos a saltar de década. Não devíamos mudar alguma coisa? Em 2000 surgiu o Big Brother e mudou a televisão como hoje a conhecemos. E em 2010 que aparecerá?

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close