Holofotes

Entretenimento

Um dos aspectos mais marcantes da televisão seja em Portugal ou noutra parte remota da nossa Terra é o entretenimento. Muitos são os programas que, em horário nobre, são capazes de entreter todos os espectadores que, àquela hora, estejam a ver televisão.

Contudo, em Portugal temos um enorme problema a nível do entretenimento, nos generalistas. Por um lado, apostamos em concursos nos quais crianças, jovens e adultos colocam à prova os seus dotes. Por outro lado, temos novelas que, a meu ver, não são sequer considerados programas de entretenimento.

A RTP, por ser Serviço Público, é, dos quatro canais, aquela que mais entretenimento oferece a nível de séries nacionais e entre outros programas. A SIC pouco oferece, A TVI tem aversão a estes programas.

Porque é que, em Portugal, temos este défice?

O dia tem 24 horas e as televisões generalistas devem apostar em entretenimento (não descurando as outras categorias). Variar a sua grelha. Variar, simplesmente. Há quem tenha apenas 4 canais e que não gosto do primetime dos generalistas.

A razão é simples: as necessidades não são satisfeitas e há quem vire as costas à nossa TV. E isto não pode acontecer. A RTP prima sempre por mostrar a nós, portugueses, a sua faceta mais divertida, mais familiar, mais interessante. É de notar que de 4 canais generalistas, apenas 1/2 se dedique a esta categoria. É lamentável.

Mais lamentável, ainda, são os escapes que as pessoas realizam para o Cabo (aquelas que têm poder económico para tal) para encontrar uma outra forma de queimar o seu tempo e não é de surpreender a afluência cada vez maior aos canais temáticos.

O “troféu” desta semana vai para a RTP porque é ela que nos faz viver momentos de tranquilidade, em família.

Eu, espectador assíduo de televisão, dou uma sugestão às cadeias de televisão: todos os meses, retirem um dia que seja para organizar uma espécie de debate televisivo em que o tema será a própria televisão (actualmente, faz-se este tipo de programa no Reino Unido). Parece disparatado, mas não é porque se formos ver bem, somos capazes de encontrar soluções economicamente viáveis para criar mais dinamismo na televisão portuguesa.

Que tal irmos buscar à TV inglesa, umas quantas ideias? Mudar significa trabalhar. Falta a força de vontade. Portugal tem-na?

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close