Frente de Destaques

Os Últimos a Perderem-se

Boa Tarde! Uma semana depois cá estou eu novamente com aquilo que de melhor se escreveu na nossa imprensa. Se José Castelo Branco se desdobrou em entrevista sobre a participação em Perdidos na Tribo, Teresa Guilherme confirmou que a SIC pôs a mão na sua substituição na nova telenovela da TV Globo, enquanto que a RTP recebeu várias queixas sobre o seu novo programa, bem como Frederico Ferreira de Almeida se viu obrigado a vir à imprensa reagir às críticas a que Peso Pesado tem sido sujeito.

Senhoras e senhores, sejam bem-vindos a mais uma Frente de Destaques!

Se, na semana passada aqui destaquei como protagonista o novo doc-reality da TVI, devido, sobretudo às queixas dos diferentes concorrentes sobre o tratamento nas tribos, hoje não posso deixar de conceder esta “distinção” à grande estrela de Perdidos na Tribo. E não sou eu o único a dizer que é ele a grande estrela. Ele próprio se assume como tal e há vários colegas que o admitem também. Mas, afinal de contas, alguém duvida de que grande parte do sucesso do novo formato de Leonor Poeiras se deve a José Castelo Branco? Ele que, poucos dias depois da estreia do novo programa teve a capacidade de ser capa de, pelo menos, quatro revistas da nossa praça? Ele foi Notícias TV, TV Guia, TV 7 Dias, Maria, e muitas outras acabaram sempre por lhe dar algum destaque? É claro que quando investiram perto de 20 mil euros na presença do “conde”, os responsáveis da TVI já sabiam que tudo isto iria acontecer. E o próprio José Castelo Branco sabe, desde há já alguns anos, que a sua presença é importante e que, mesmo acabando por cair inúmeras vezes no ridículo, isso acaba por não ter muito peso, face ao que ganha. E ele conseguiu vender o seu peixe, afirmando que quer regressar à Namíbia para tutoriar um jovem nativo pelo qual diz ter-se “apaixonado”, entre muitas outras coisas. Palavras para quê? Ele é José Castelo Branco e isso, diz tudo!

Mas não só de Perdidos na Tribo se escreveu nos últimos dias. Também Peso Pesado acabou por ter algum destaque na imprensa, que, como não podia deixar de ser, continua a investigar toda a vida dos participantes, a retirar algum do secretismo do jogo, a trazer pormenores que preferíamos saber depois da exibição nos ecrãs. Contudo, trago a esta Frente o reality-show da SIC devido ao artigo da Notícias TV, em que Frederico Ferreira de Almeida reage às recentes críticas que os telespectadores têm feito ao programa, na página do Facebook. Diz o produtor de Peso Pesado que este está adaptado à realidade portuguesa e que as qualidades da nossa apresentadora fazem com que tenha um papel de maior intervenção do que a do original. Estou completamente de acordo, mas acabo por perceber algumas das críticas, uma vez que as versões originais são sempre aquelas que consideramos como “melhores” e quando vemos algumas diferenças temos sempre tendência a criticar. Todavia, estou completamente “viciado” neste programa e acredito que está bastante bem conseguido.

O que, na minha opinião, não está bem conseguido é a sátira aos reality-shows que a RTP estreou no último domingo. Último a Sair é, simplesmente, um programa que na SIC Radical faria sentido, mas que na televisão do estado não faz. Por diversas razões, desde logo a julgar pelos custos que está a ter para o canal, passando ainda pela eterna questão do serviço público. E não sou eu o único a ter esta opinião. É que, ainda nem uma semana passou desde a estreia e, segundo o Jornal de Notícias, várias foram as queixas que chegaram até ao provedor do telespectador e à Entidade Reguladora par a Comunicação Social. Qual será, então, a posição que a estação pública tomará? Sinceramente, cada vez mais sublinho aquilo que Luís Jeremias, directora da TV Guia escreveu na sua crónica desta semana: “É por isto que estou cada vez mais de acordo com a privatização da RTP”. Andamos nós a pagar impostos para programas como estes? Mas, atenção! Último a Sair é, apenas, um exemplo! Há muitos outros!

E do novo programa da RTP passamos directamente à polémica de Teresa Guilherme com a SIC. Depois de o Correio da Manhã ter lançado a questão, a apresentadora veio confirmá-la: foram mesmo os responsáveis da televisão de Carnaxide que “influenciaram” a TV Globo a trocá-la por Marina Mota. Esquecendo um pouco as qualidades de Teresa Guilherme enquanto actriz, lembremo-nos de tudo aquilo que a apresentadora disse e sempre que o tema vem à baila diz sobre os últimos tempos na SIC. As acusações a Luís Marques, as críticas a Nuno Santos, entre outros. Ora, não será mais do que justo e bem pensado que, agora que pode fazer uma “pequena vingança” Luís Marques não tome medidas? Com certeza que, qualquer um de nós, nesta situação, faria o mesmo. E Teresa sabe, melhor do que ninguém, que no mundo da televisão, embora por vezes parece, ninguém gosta de que lhe “passem por cima”. Como diria o Ivo de Casa dos Segredos, é “um abrolhos” para a comunicadora.

Prestes a terminar, o último destaque desta semana vai para Manuela Moura Guedes, que fez algumas declarações curiosas ao Correio da Manhã de sábado. Diz a jornalista que “tem pena” de não estar agora nos ecrãs, e eu sublinho. Embora o jornalismo que faz seja sempre passível de diversas análises, a esposa de José Eduardo Moniz conseguia “descobrir os podres” dos nossos políticos e causava polémica. Nesta fase teria muito que contar, é um facto. Na mesma entrevista, Manuela Moura Guedes aproveitou ainda para deixar algumas críticas a Judite Sousa, José Alberto Carvalho e ao recém estreado Jornal das 8. Diz a jornalista que “O Jornal das 8 tenta ser um clone da RTP. Fazer uma Informação institucional num canal privado é um erro”. Sinceramente, discordo totalmente do que diz. Sou, inclusivamente, da opinião de que o substituto de Jornal Nacional está muito bem conseguido e, claro está, com a apresentação da nova dupla sai tudo muito bem. o problema é, no meu entender, o grafismo, que, muitas vezes, na minha opinião, parece mal conseguido.

Findos os destaques, as declarações que marcaram os últimos dias:

“Comparo um beijo a uma estalada. Tenho de o fazer”, Joana Santos (in Correio TV)

“Sou eu que exijo o melhor de mim e quero que esta novela (Remédio Santo) seja melhor do que a anterior”, António Barreira (in Correio TV)

“Estou muito contente com a minha vida na SIC.”, Júlia Pinheiro (in TV Mais)

“Há duas coisas que são muito importantes para mim: o jornalismo e a televisão. Tenho saudades da televisão. Muitas. Mas o que não acontece em Portugal pode acontecer lá fora”, José Eduardo Moniz (in Diário de Notícias)

Antes das despedidas, a Rosa e o Espinho desta semana:

Rosa

A atitude de Rita Pereira em enviar um comunicado às redacções das revistas e jornais a confirmar o fim da relação com Miguel Mouzinho é de elogiar e marca, de facto, a nova atitude que a actriz tem para com a imprensa, que tanto lhe tem dado a ganhar.

Espinho

O menos da semana vai para a saída de Joana Seixas e Gonçalo Waddington de Laços de Sangue, que vai fazer com que o elenco da telenovela da SIC perca dois excelentes actores e que uma das histórias que podia ter muito por onde pegar fique pelo caminho.

E assim se despede a Frente de Destaques!

Temos encontro marcado para a semana!

Não se esqueça! Até lá!

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close