Frente de Destaques

O que se diz

Frente de Destaques

Primeiros dias de Dezembro, muito frio, alguma chuva e um sem número de destaques para comentar vindos diretamente da nossa imprensa. Desde a notícia de que afinal são Cristina Ferreira e Manuel Luís Goucha a apresentar Tu Cara me Suena, passando pelo fim do Dizem Elas e Ele, não esquecendo ainda as declarações de Júlia Pinheiro sobre o Emmy de Laços de Sangue!

Senhoras e senhores, sejam bem-vindos a mais uma Frente de Destaques!

A notícia surgiu há mais de uma semana, mas nos últimos dias teve um destaque ainda maior pela imprensa e ajudou mesmo a conhecer alguns pormenores interessantes e que eu, confesso, imaginava, mas não acreditava eu fossem verdade. De que falo eu? Do fim do Dizem Elas… e Ele, no Você na TV!, já em dezembro. Perdoem-me os fãs e a própria visada, mas tenho que citar a maior pérola desta semana: “Nunca foi essa a proposta [de analisar os temas do Social], senão nunca teria aceitado, porque era uma coisa que não me interessava. Não tenho preconceito nenhum, até porque acho que se pode falar de tudo com dignidade. Foi-me apresentado que falaríamos de temas polémicos, da Visão e do Expresso. E a rubrica acabou por levar um caminho diferente.” E aqui vejo-me obrigado a concordar com aquilo que escreveu Nuno Azinheira no DN. De facto, é como que uma “massada” para a socialite chegar ao programa das manhãs de Queluz de Baixo e ter que comentar assuntos do “cor-de-rosa” nacional. Não há direito. Fora isto, também gostei de perceber que havia mesmo conflitos entre as caras desta rubrica. Só acho curioso que tudo isto surja com este timming. Será para ver se alguém os convida pela polémica e falatório que têm causado? Aqui na Frente de Destaques são O Protagonista da semana!

E do final do Dizem Elas… e Ele continuamos no Você na TV!, mais precisamente com Manuel Luís Goucha e Cristina Ferreira. Pois é, parece que, de um momento para o outro, José Fragoso juntou o “tico e o teco” e fez “puuuuffff”! Rita Pereira já não vai apresentar a versão nacional de Tu Cara me Suena e serão os reis das manhãs da TVI a ocupar tal lugar. É caso para dizer “ufa”! Os telespetadores de Queluz de Baixo serão poupados às fracas capacidades da atriz de Remédio Santo e compensados com o talento mais do que provado de Cristina Ferreira e Manuel Luís Goucha. Tal como escrevi esta semana numa das edições do Falar Televisão, o formato vai ganhar (e não é pouco) e agora sim, é certo: será um sucesso. Primeiro, porque tem famosos (e serão mesmo famosos, acredito eu, ao “contrário” do que aconteceu com Perdidos na Tribo) e depois porque tem esta dupla. Avizinha-se uma dura batalha para a concorrência.

Para fechar o capítulo TVI é agora tempo de dar destaque a Diogo Infante. Pois é, ele que está afastado dos ecrãs há algum tempo, se pensarmos em produtos de ficção, então, parece há uma eternidade, poderá ser o sucessor de André Cerqueira na Plural Entretainment, revela a mais recente edição da Nova Gente. Avaliando o trabalho que fez recentemente no Teatro Nacional Dona Maria II acredito que possa ser uma boa aposta, mas, sabendo nós das habituais ideias deste profissional, o que esperar do futuro da ficção made in Plural Entretainment? Uma grande mudança, acredito eu. E é por isso que ainda há algo que me diz que pode vir a ser Virgílio Castelo a suceder a André Cerqueira, por ser uma aposta na continuidade.

A propósito da saída de André Cerqueira da Plural Entretainment, a edição desta semana da revista TV Guia anuncia que Gabriela Sobral tem recebido inúmeras chamadas de atores da TVI a quererem ouvir as suas propostas. Não duvido de que seja mentira, tendo até em mente o sucesso que a ficção SIC tem tido, o problema é que, agora, para os lados de Carnaxide, não há assim muito dinheiro para investir. E é agora que a diretora de Produção da SIC deve rir com a vontade de alguns dos que, há bem pouco tempo, lhe deram uma nega. Mas talvez um ou outro acabem por se tornar nas novas estrelas SIC, até porque os responsáveis do canal querem ter em Dancin’Days um elenco bastante luxuoso. E não me admiraria nada que os principais rostos viessem de Queluz de Baixo. O único entrava é mesmo a falta de capital na estação do grupo Impresa.

Ainda a propósito da SIC, Carlos Dias da Silva escreveu esta semana que Rita Ferro Rodrigues e Nuno Graciano se vão voltar a juntar, ainda que apenas numa emissão especial de Natal. Já muito escrevi sobre esta dupla, mas nunca é de mais deixar claro a minha opinião sobre ela. Sinceramente, tenho para mim que juntos formavam, nos tempos do Contacto, uma das melhores duplas da televisão portuguesa. Era sempre uma alegria vê-los juntos, contagiante mesmo. E mostraram que não havia falsidades entre ambos. Pena tenho que, neste momento, tenham caminhos distintos. Mas, com o falado regresso do Big Show SIC no próximo ano, porque não esta dupla para o conduzir? Enquanto isso não acontece, resta-nos aguardar pela próxima sexta-feira onde poderemos ver Rita Ferro Rodrigues e Nuno Graciano novamente juntos.

Para último destaque, falo-lhe da próxima aposta da RTP a nível de ficção. Depois de um sucesso que nunca foi reconhecido nas audiências, Hugo Andrade decidiu encomendar à SP Televisão uma nova série bem ao estilo Conta-me Como Foi, revela a edição desta semana da revista TV Guia. Uma série de época e que está bastante bem enquadrada naquilo que a RTP tem apresentado ao longo dos tempos. Parece-me uma boa aposta, tendo em consideração o posicionamento da televisão pública. Mas dependerá muito do elenco reunido. E do horário escolhido. Ocupar o horário de Velhos Amigos, por exemplo, talvez fosse meio caminho andado para o sucesso.

Findos os destaques, as declarações que deram do que falar nos últimos dias:

“Antes as novelas eram vistas como o futebol, uma mera distração. Mas agora há uma necessidade de tentar chegar mais à realidade, chegar mais aos problemas dos nossos dias. Há um público diferente, mais jovem, que já não acredita em certas coisas. Há muito sangue novo por trás das câmaras e isso nota-se”, José Fidalgo (in Focus)

“Espero conseguir um bom trabalho que, neste novo projeto, eles (telespectadores) vejam a Júlia e não a Diana. Não quero que esqueçam a Diana, mas que consigam distanciar-se dela, quando me virem como Júlia”, Joana Santos (in TV Mais)

“As estações foram mudando consoante os homens que estiveram à sua frente. São elas que fazem e dão o tom às estações. O gosto pelo humor é algo comum aos diretores de programas. Às vezes, o problema é que os grupos económicos que estão por trás querem um resultado mais comercial, outros menos”, Maria Rueff (in Notícias TV)

“Não há fórmulas para o sucesso de uma novela.”, Pedro Lopes (in Correio TV)

Antes das despedidas, a Rosa e o Espinho da semana:

Rosa

O mais da semana vai para a reportagem da Notícias TV sobre a preparação de Teresa Guilherme para as emissões de Secret Story 2. É através destas duas páginas que temos noção de que a apresentadora é, de facto, um dos motivos do sucesso desta nova temporada do reality-show da TVI.

Espinho

Já o destaque menor desta semana pertence também a uma notícia sobre Secret Story 2, e que faz capa da Nova Gente desta semana. Achei interessante a abordagem do fenómeno Cátia, por parte de profissionais da área, mas creio que começarem a fazer projeções sobre a quantia que a algarvia vai ganhar quando chegar cá fora acaba por ser demasiado…

E assim termina mais uma Frente de Destaques!

Até para a semana!

  • Anónimo

    Concordo com tudo, contudo queria realçar uma notícia aqui escrita. Falo do artigo da “Noticias TV” sobre a Teresa Guilherme. Aquela mulher dedica-se mesmo muito. Eu que li o artigo digo: é por aquilo que ela é a melhor.

/* ]]> */

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close